Um conluio político e judicial talvez explique a morte de um nome importante de Santa Catarina, o de Luís Carlos Cancellier. [VIDEO] Acusado de corrupção, ele. cujo último papel foi ser reitor da UFSC, a Universidade Federal de Santa Catarina, matou-se pouco depois de sair da cadeia. Luís dividiu sua vida entre a política e a educação.

Antes de se matar, ele deixou uma carta de despedida, que deixava clara a sua depressão por ter sido afastado de sua funções. Há 12 anos na UFSC, ele foi acusado de corrupção, desviar verbas etc. Luís precisou ficar afastado de suas funções, a fim de que não tivesse acesso aos documentos que tanto falaram sobre sua vida.

O desespero de um homem que negava ser corrupto, mas que padeceu de tristeza após prisão

Acioli, irmão do reitor morto, explicou em entrevista ao site jornal GGN que ele tinha medo de descumprir a ordem judicial.

A Justiça impedia o reitor de entrar na universidade, mas Luís morava a apenas 20 metros da UFSC.

Bastava ele atravessar a rua para poder ser preso, descumprindo assim a ordem judicial. Por toda a vida um homem decente, o político não aceitava ser visto como um corrupto.

Padre foi impedido de ver reitor que cometeu suicídio em Santa Catarina

A missa de sétimo dia de Luís ocorreu no último dia 8. Durante a missa, o padre William Barbosa Vianna chocou com revelações.

O religioso disse que foi impedido de dar assistência religiosa ao homem, o que ele acredita que poderia ajudar o político a se livrar do tenso pensamento de se matar. Em uma carta de despedida, Luís disse que começou a morrer assim que foi impedido de entrar na universidade e teve as fortes acusações.

Polêmica com Polícia Federal é desmentida por padre

​A polícia federal recebeu acusações de um suposto impedimento do padre ao reitor.

Esta interpretação acabou se tornando “verdade” ao ser reproduzida com insistência, não apenas nas redes sociais.

Só não foram checar com o padre o que realmente ocorreu. Ele prefere não dizer claramente o que teria ocorrido, mas nega que tenha falado da Polícia Federal em seu depoimento.

Previna-se contra o suicídio - Conheça o trabalho do CVV

No Brasil, o Centro de Valorização da Vida (CVV) ajuda milhares de pessoas que tem pensamentos suicidas. A instituição atende gratuitamente pessoas de todo o território nacional através do telefone 141. Os interessados também podem entrar em contato com a instituição por meio de seu site.

Deixe o seu comentário.