Foi acatado pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, que atua na Justiça Federal de Brasília, o pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para que interrogatório do processo sobre a Operação Zelotes, no qual ele foi indiciado há poucas semanas, fosse adiado.

A nova data para realização do interrogatório está prevista para 3 de novembro. Este adiamento acabou favorecendo o petista, que não precisará se ausentar da Caravana que será realizada em 12 cidades no estado de Minas Gerais.

Publicidade
Publicidade

Segundo as informações, a caravana foi inicio nesta segunda-feira 23 na cidade de Ipatinga e está previsto para terminar no dia 30 deste mês, em Belo Horizonte.

O ex-presidente Lula vem liderando as pesquisas de intenções de voto para à Presidência da República em 2018, acumulando os maiores números de intensão de votos a seu favor. O petista, que já foi presidente por duas vezes do Brasil, é réu nas operações Zelote e Lava Jato.

Publicidade

Lula segue fazendo campanha de pré-candidato para as próximas eleições em busca de governar o Brasil pela terceira vez.

Ele já passou com sua caravana por todos os estados nordestinos e agora chegou a vez de Minas Gerais. Depois. ele pretende passar com a caravana pelo Rio Grande do Sul.

Época em que o MPF fez a denúncia contra Lula

Em dezembro do ano passado, a Justiça Federal de Brasília acatou a denúncia feita pelo Ministério Público Federal que acusa o ex-presidente Lula de interferir na negociação do governo brasileiro para comprar de 36 caças do modelo Gripen, da Saab.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

O MPF também acusou o petista de ter prorrogado incentivos ficais que seriam destinados as montadoras de veículos por meio da Medida Provisória 627. Quando estes casos ocorreram entre 2013 a 2015, o petista não era mais governante do Brasil, quem estava sendo presidente foi a ex-presidente Dilma Rousseff.

Para o Ministério Público, Lula, na condição de ex-presidente, estava integrado a um esquema que tinha como objetivo vender promessas de que ele poderia junto ao governo interferir para beneficiar as empresas que vendiam e montavam carros das marcas Mitsubishi e Hyundai.

Na época em que a Justiça Federal de Brasília aceitou a denúncia do MPF contra Lula, a defesa do petista publicou uma nota dizendo que a decisão era mais um frívolo ataque contra Lula e seus familiares. Na nota também estava escrito que estas acusações tinham como objetivo destruir a imagem do ex-presidente com o intuito de estragar sua carreira política, que foi construída em muitos anos de lutas e vitórias.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo