A Câmara dos Deputados divulgou, sem querer, uma informação muito íntima do presidente da República, Michel Temer. Publicado em um documento oficial, no qual o ex-ministro Geddel Vieira Lima contata Temer através de uma chamada telefônica, o documento veio a público e causou grandes inconvenientes ao chefe do Executivo.

Trata-se do número de telefone pessoal do presidente. O número estava salvo no iPhone do ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência Geddel Vieira Lima.

O telefone celular foi apreendido pela Polícia Federal durante a operação Lava-Jato. Todos os demais documentos e vídeos dos delatores foram divulgados e por essa razão o número foi compartilhado com a Câmara dos Deputados, instância responsável pela análise da segunda denúncia da Procuradoria Geral de República, enviada no mês passado pelo então procurador Rodrigo Janot.

Tendo sido divulgado o número de telefone do presidente da república, um repórter do jornal O Globo, Vinícius Sassine, ligou para o número publicado e conseguiu falar diretamente com o presidente Michel Temer. O presidente disfarçou quando o repórter lhe perguntou se o telefone pertencia ao Palácio do Planalto. No decorrer da ligação, Temer assumiu ao repórter que era ele quem estava falando.

Observe abaixo trechos do diálogo do repórter com o presidente:

Repórter: (...) E aí eu ligando só pra confirmar isso porque é um número que acabou ficando público, que tá colocado na própria página da Câmara, né?

Michel Temer: Tá certo. Mas liga, viu... Como é que é seu nome mesmo?

Repórter: Vinicius

Michel Temer: Liga, Vinícius, aqui para o gabinete do presidente, viu? Fala com a dona Mara.

Repórter: Tá... Eu falando com o presidente, não estou?

Michel Temer: Tá (risos)... perfeitamente...

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer Política

Outros dados da conversa com o repórter

Além disso, o repórter Vinícius Sassine, do jornal O Globo, também questionou o presidente a respeito dos e-mails enviados ao presidente em outubro do ano passado através do iPhone de Geddel Vieira Lima, apreendido pela polícia. Por se encontrar na condição de presidente, Temer deveria ter utilizado o e-mail institucional (uma conta de e-mail oficial da Presidência da República pela qual unicamente o presidente deve se comunicar).

O endereço registrado era de uma conta no aplicativo do Google Gmail. Temer disse não saber sobre qual conta o repórter se referia e logo na sequência explicou que não usa o serviço de e-mail e que provavelmente o uso foi feito por sua secretária pessoal. Após ser questionado pela carta enviada por ele aos deputados, Temer desligou o telefone.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo