O apresentador Luciano Huck é um dos nomes mais conhecido do país. Famoso por comandar o 'Caldeirão', na Globo, o marido de Angélica é cotado para seguir a carreira política. Ele vive negando, mas especialistas em política garantem que Luciano teria um plano secreto para chegar ao poder, como mostra uma matéria publicada nesta terça-feira (3), pelo portal de notícias R7.

Uma decisão polêmica do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO] ainda promete ajudar e muito o comunicador em sua empreitada para chegar ao poder. Muita gente acredita que tudo isso deva acontecer em breve.

STF e Luciano Huck entram na mira de polêmica por facilidade para chegar à Presidência

Luciano Huck é um dos maiores comunicadores do país.

No passado, o apresentador já apoiou nomes polêmicos da política, como o ex-Senador Aécio Neves, do PSDB. Huck tem potencial para, pelo menos, provocar uma reviravolta no mundo político. O único risco que deve correr é o de ter que sair da televisão e nunca mais conseguir voltar à telinha por passar a ter sua imagem ligada à política.

Candidatura avulsa deve ajudar Luciano Huck a tentar ser presidente

O Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, deve julgar, na próxima quarta-feira (4), a possibilidade de pessoas se candidatarem à Presidência sem estarem em um partido político. A chamada "candidatura avulsa" pode fazer o horário eleitoral ficar muito movimentado, e siglas grandes, como o PSDB e PT, podem perder espaço.

Procuradora-geral apoia candidatura avulsa que deve beneficiar apresentador da Globo

Raquel Dodge, procuradora-geral da República, por exemplo, é um dos nomes que apoiam essa mudança.

Ela já deu o seu parecer favorável em relação ao assunto.

Segundo o portal de notícias R7, através da Coluna do Fraga, o juiz Hamilton Gomes Carneiro, de Goiás, acolheu uma ação do advogado Mauro Junqueira, permitindo que ele participe das próximas Eleições mesmo sem estar filiado a um partido. Tal fato ocorreu há poucos dias.

Um bônus para Luciano Huck? Brasil tem acordo com ONU que permitiria candidatura avulsa

A procuradora-geral da República argumenta que o Brasil tem um acordo com a ONU, através de uma Convenção de Direitos Humanos, que deixa claro que não é preciso ter filiação para chegar ao pleito. Luciano, que tenta argumentar dizendo não ser candidato, não tem conseguido convencer ninguém. Até a esposa do apresentador parece estar posando de primeira-dama e já deu entrevistas sobre o tema.