Na última terça-feira, dia 10, os principais veículos de comunicação divulgaram a informação de que a Polícia Civil do Estado de São Paulo realizou operação de busca e apreensão na residência de Marcos Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula), com o objetivo de encontrar drogas e armas no local, com base em 'denúncia anônima'.

Reação Petista

Na ocasião, a imprensa já tinha informações que nenhum 'ilícito' foi encontrado no local, o que causou 'reação' do Partido dos Trabalhadores (PT) e da defesa do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (Lula).

Tanto o Partido dos Trabalhadores (PT), quanto a defesa do ex-presidente Lula emitiram nota à imprensa, classificando a ação policial 'abusiva' e 'sem base', com claro objetivo de 'perseguir o ex-presidente Lula'.

Controvérsia Jurídica

A principal controvérsia da questão foi o fato de que a referida operação de busca e apreensão teria sido feita com base em 'denúncia anônima', o que reforçou a tese petista de 'ilegalidade', uma vez que, conforme a jurisprudência, ações com base em 'denúncia anônima' devem ser precedidas de investigação em 'campana', para então embasar medidas mais 'drásticas' como prisão, busca e apreensão, dentre outras.

Pressão

Após a divulgação do episódio, parlamentares petistas teriam pressionado a Secretaria de Segurança Pública, exigindo 'apuração' das reais condições da investigação, principalmente em virtude da 'denúncia anônima', tanto porque a ação deveria ter base em outros elementos de investigação complementar, tanto porque a ação policial registrava dois endereços de Marcos Cláudio Lula da Silva (filho do ex-presidente Lula), sendo que a denúncia teria relação com apenas um endereço.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

Respostas

Com o 'imbróglio' criado, após pedido da defesa, a justiça determinou a devolução dos bens apreendidos na residência de Marcos Cláudio, pois não teriam relação direta com o 'crime investigado'. A decisão ainda afirmou que a ação objetivava a apuração de grande movimentação de pessoas na residência, com suposta relação com 'drogas e armas' e que o Ministério Público foi favorável à ação de busca e apreensão, bem como não havia conhecimento, pela justiça, de quem era o proprietário do imóvel.

Já a Secretaria de Segurança Pública, pasta do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), decidiu iniciar 'apuração' para entender o ocorrido, principalmente as reais circunstâncias que levaram à ação policial, bem como decidiu afastar provisoriamente do caso o delegado responsável pela operação, com o objetivo de 'preservar as investigações'.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo