Uma confusão marcou uma audiência da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado na quarta-feira passada (18). O deputado Givaldo Carimbão (PHS-AL), coordenador da Frente Parlamentar Católica da Câmara, criticou a mostra Queermuseu, que foi exibida pelo Santander Cultural na cidade de Porto Alegre (RS), pelo fato da mesma ter recebido dinheiro público através da Lei Rouanet, e declarou que gostaria de ver a mãe de Sérgio Sá Leitão, o ministro da Cultura, ser exposta ao público ''com as pernas abertas.''

Sérgio Sá Leitão, participante convidado da audiência pública, ficou indignado com a declaração de Carimbão e exigiu que o deputado tivesse respeito com sua mãe, já falecida.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

O ministro chegou a se levantar, ameaçando deixar a sessão. Carimbão replicou, afirmando que Leitão também lhe devia respeito, não somente por sua mãe de sangue, mas pela mãe de sua ''doutrina de fé'', Maria Santíssima.

Carimbão afirmou ter se sentido ofendido pelas obras expostas na mostra Queermuseu, principalmente por aqueles que retratavam a Virgem Maria. Em uma delas, Maria segura nos braços um bebê chimpanzé no lugar do menino Jesus.

Veja abaixo, o vídeo do bate-boca entre o deputado Givaldo Carimbão e o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão:

Em nota, o Ministério da Cultura afirmou que Sérgio Sá Leitão foi sereno em todas as suas respostas durante a audiência, mas que ''colocações ofensivas'' dirigidas a ele, sem que tivessem relação alguma com o objetivo da sessão, fizeram com que o ministro encerrasse sua participação na audiência.

Sobre a mostra Queermuseu

Cancelada no início de setembro após protestos do Movimento Brasil Livre (MBL), a mostra Queermuseu exibida pelo Santander Cultural da cidade de Porto Alegrem declarava ter por objetivo promover uma visão mais ampla sobre a diversidade de gêneros e da sexualidade.

Os melhores vídeos do dia

Suas obras foram acusadas de ir contra os ''bons costumes'' e de incitar pedofilia e zoofilia. Além disso, algumas delas traziam ícones religiosos, tais como imagens da Virgem Maria e Jesus Cristos e até hóstias, em contextos considerados ofensivos à moral cristã.

Após ter sido encerrada um mês antes do previsto, a mostra foi levada à cidade de Nova York (EUA) através de projeções. Nas fachadas dos principais museus da cidade, as obras da exposição foram projetadas acompanhadas de frases contra a censura. O diretor do Museu de Arte do Rio (MAR), Evandro Salles, já declarou que pretende exibir a mostra no Rio de Janeiro. A abertura, no entanto, ainda não tem data definida.

Arte polêmica

Não foi somente a mostra Queermuseu que foi alvo de críticas em razão de seu conteúdo supostamente ilícito. A performance de um homem nu [VIDEO], que podia ser tocado pelos espectadores no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), também foi acusada de pedofilia após um vídeo em que uma criança e sua mãe interagem com o artista. A criança toca os pés do homem, com incentivo de sua responsável, que levou-a voluntariamente ao museu.