O conjunto formado pelos 513 deputados da Câmara Federal tem previsão de examinar o parecer do deputado Bonifácio de Andrada, propondo repugnar a segunda denúncia da Procuradoria Geral da República, acusando o presidente Michel Temer dos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa, na próxima quarta-feira, dia 25.

Comissão de Constituição e Justiça refuta investigação de Temer pelo STF

Como era esperado pelo Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, 18 de outubro, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, refutou a possibilidade de o presidente Temer ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

Porém, a completude desse plenário é quem determina o rito final.

Placar é de 39 votos contra 26

Foram 39 votos para o relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB/MG), propondo rechaçar a denúncia da (PGR) contra o presidente Michel Temer e 26 indicações pela continuidade do processo.

Com 172 votos Presidente Temer congela denúncia até final de mandato

Para o colegiado autorizar o STF continuar a investigar o presidente Michel Temer, serão necessários a obtenção de 342 votos. Do outro lado, Michel Temer precisará de 172 deputados votando em seu favor, congelando a denúncia até o final de seu mandato ano que vem.

Janot intitula processo de "Quadrilhão do PMDB"

Até então, procurador-geral da República, Rodrigo Janot ofereceu a segunda denúncia contra o presidente Temer ao STF, dia 14 de setembro. Intitulando a peça acusatória como “Quadrilhão do PMDB”, Janot defende investigar também os ex-deputados no âmbito federal: Eduardo Cunha, Rodrigo Rocha Loures e Henrique Alves; o ex ministro Geddel Vieira Lima, e os atuais ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Para Janot,cofres públicos perderam cerca de 587 milhões

Segundo Janot, os integrantes do PMDB agiam de vontade livre e consciente, com maneiras preordenadas, estruturas e funções definidas, especialmente contra a Administração Pública, arrecadando propina.

Entre as instituições prejudicadas estão a Petrobaás, a Caixa Econômica Federal, o Ministério da Integração Nacional e o Ministério da Agricultura. Pela acusação, os prejuízos aos cofres públicos resultaram em R$ 587 milhões.

Câmara congela processo por corrupção passiva

No mês de junho, a Câmara arquivou processo contra Michel Temer de corrupção passiva por 263 votos a favor e 223 contrários. Com isso, Temer só será investigado quando completar seu mandato em 2018.

Janot acredita ainda, queTemer teria estimulado o dono da J&F, Joesley Batista e Ricardo Saud a cometerem irregularidades pagando o doleiro Lúcio Funaro e Eduardo Cunha, impedindo acordo de delação premiada.