Michel Temer pode respirar aliviado. Ele venceu aquele que provavelmente foi o seu último grande teste no cargo de presidente da República. Por 251 votos favoráveis contra 233 contrários, o peemedebista conseguiu barrar a segunda denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), ainda sob gestão de Rodrigo Janto, que o acusava de organização criminosa e obstrução da Justiça.

Após uma longa sessão de cerca de 12 horas no plenário da Câmara, o resultado final beneficiou Temer, já que a denúncia só prosseguiria ao Supremo Tribunal Federal (STF) se houvesse dois terços de votos nesse sentido. Com a vitória, ficou comprovada a importância da forte articulação que o presidente e sua equipe fizeram com os parlamentares nos dias anteriores à votação.

Na gravação em vídeo publicada em suas redes sociais, Temer fez agradecimentos aos deputados que se mostraram comprometidos com o governo federal e disse que já vê melhoras no país a partir de ações efetivas de sua gestão.

"O Brasil sempre será maior do que qualquer desafio que tenhamos. E o nosso país ficou ainda mais forte depois de ter suas instituições testadas de maneira drástica como foram nesses últimos meses. No final de tudo, a verdade venceu. O que prevaleceu foi a garantia individual e institucional prevista na nossa Constituição", destacou Temer.

Na fala, ele deixa sublinhado também o resultado da primeira denúncia da PGR ainda em agosto. Na ocasião, a acusação era de uma suposta corrupção passiva por parte do presidente. Naquele momento, Temer teve uma votação ainda mais positiva do que teve nesta quarta-feira, já que da primeira vez ele teve o apoio de 263 parlamentares contra 227.

"Eu quero também aproveitar esse momento para agradecer a todos os deputados e deputadas que na votação de ontem (quarta-feira) reafirmaram o compromisso que tem com o nosso governo", acrescentou.

Veja a fala de Temer divulgada nas redes sociais durante esta quinta-feira:

Para efeitos práticos, a vitória obtida no plenário da Câmara garante Temer na presidência [VIDEO] até o final do seu mandato, que encerra no dia 31 de dezembro de 2018. De acordo com as leis vigentes, o ex-vice de Dilma Rousseff só precisará responder ao Ministério Público após encerrar seu mandato atual.

Temer ressalta resultados da economia

Ainda embalado pelo clima da vitória e da manutenção assegurada no cargo, Michel Temer fez questão de ressaltar alguns resultados que entende serem importantes para a recuperação da economia do país.

Como "trunfos" do governo, ele mencionou situações como a queda da inflação e da taxa de juros, bem como a recuperação do poder aquisitivo dos brasileiros e a continuidade dos programas sociais.

"É a maior obra do meu governo. Com a recuperação vivida pela economia, volta também o emprego aos brasileiros. Os investimentos também estão retornando e o consumo das nossas famílias está crescendo", avaliou o sucessor de Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

Em nenhum momento da gravação, Temer fala sobre o seu quadro de saúde, que causou preocupação no início da tarde de quarta-feira. Ele se sentiu mal [VIDEO] no seu gabinete e foi atendido inicialmente no próprio Planalto antes de ser encaminhado ao hospital. A assessoria de imprensa da presidência informou que Temer teve uma "obstrução urológica", e que os médicos utilizaram uma sonda para aliviar sua bexiga.

Michel Temer, já praticamente garantido no cargo por volta de 20h da quarta-feira, quando a votação se encaminhava para o final no plenário da Câmara dos Deputados, ganhou alta médica no mesmo dia e seguiu para a sua residência no Palácio do Jaburu.