Ciro Gomes (PDT-CE), pré-candidato à Presidência da República, e ex-ministro da Integração Nacional no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2006), afirmou em entrevista no domingo (22), durante o programa Canal Livre, da TV Bandeirantes, que seu concorrente para o cargo no executivo, o deputado Jair Messias Bolsonaro (PSC-RJ), tem, no momento, mais isenção do que os membros do PSDB. "Ele é mais íntegro do que as lideranças tucanas, incluindo Tasso Jereissati", afirmou Ciro.

Por outro lado, o ex-governador do Ceará afirmou que a sinalização do voto em Jair Bolsonaro, segundo nas pesquisas de intenção de voto, atrás apenas de Lula, é, na verdade, uma negação à política que aí está e também que não compactua com suas ideias. Ainda para o pedetista, dos eleitores que agora declaram voto em Bolsonaro, muitos deles votarão em outros candidatos na hora da eleição.

Segundo ele, no momento em que o PSDB parar de errar, Bolsonaro irá cair nas pesquisas, e afirmou ainda que se os tucanos desejam voltar a dirigir o país, o único nome viável no partido para disputar a presidência da República é o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Indagado sobre qual é sua linha governamental, se de direita ou esquerda, o pedetista afirmou que está onde deveria estar, e aproveitou para alfinetar os governos de Lula e Dilma, dizendo que ambos fizeram na área econômica tudo aquilo que Fernando Henrique havia feito durante o governo do PSDB, afirmando que nem de longe o governo do PT foi de esquerda. Criticou ainda o partido por não ter outra liderança, a não ser o ex-presidente Lula.

O pré-candidato disse também que o Brasil está passando por um momento político de muita agressividade e explicou sobre uma declaração dada por ele na semana passada, onde teria atacado Marina Silva (Rede), dizendo que ela não teria testosterona para assumir o cargo.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Lula

Ciro explicou que em nenhum momento usou esta expressão para se referir a pré-candidata da Rede e que foi mal interpretado.

Sobrou tempo ainda para ironizar o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), o chamando de "prefake". "Prefeito falso, farsante", afirmou Ciro. Por fim, o ex-governador abordou temas econômicos e afirmou que seis pessoas no Brasil têm fortuna equivalente a renda de 100 milhões de brasileiros. Segundo ele, estas pessoas irão pagar mais impostos e citou como exemplo os Estados Unidos, onde o valor da alíquota sobre grandes fortunas é de 40%.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo