O comandante do Exército, o general Villas Bôas, vem falando há algum tempo sobre a necessidade de uma legislação mais forte para proteger os militares das Forças Armadas que são colocados em situação caótica frente à criminalidade no Brasil.

A ação mais recente ocorreu na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, e integrantes do Exército estiveram em perigo ao tentar proteger as pessoas e evitar que traficantes cometam horrores no local.

O general sabe que pode surgir fatos onde agentes sejam acusados de cometer crimes ao serem determinados à cumprirem ordens, mas isso deveria ser julgado por cortes militares. O problema, na visão de Villas Bôas, é que o Congresso Nacional tenta adiar ao máximo esse fator importante e a legislação acaba não sendo alterada.

Algumas pessoas acreditam que os parlamentares seguram essas mudanças para que os militares não ganhem mais forças, ainda mais com o assunto de intervenção militar [VIDEO]que propaga no Brasil.

O comandante do Exército defende uma proteção maior da sociedade aos soldados. Pelos noticiários sobre a intervenção na Rocinha foi possível observar que os militares acabaram sendo mais vigiados como se fossem os culpados pelos crimes e responsáveis pela desordem. Até mesmo um lenço usado pelos membros das Forças Armadas foi colocado em evidência, ou seja, assuntos totalmente irrelevantes.

Efeitos colaterais

O general alertou que tudo teve que ser feito com o máximo de responsabilidade na Rocinha para que não ocorra "efeitos colaterais", como por exemplo, a morte de civis e medidas que incomodem as pessoas de terem liberdades individuais.

De acordo com o site "Revista Sociedade Militar", o general, mesmo não citanto o fato ocorrido com a atriz da Globo Cláudia Alencar, que humilhou e ameaçou militares que estavam apenas realizando seus deveres, teria falado sobre tudo isso com uma forma de desabafo ao ver a repercussão do caso. A atriz acabou tentando jogar contra a população os militares que estavam cumprindo ordens.

Confusão

A atriz global chegou a filmar os soldados que não permitiram a sua entrada por uma rua que estava sob vigilância deles. A atriz ficou revoltada, xingou os agentes, gritou com eles e ameaçou dizendo que seu tio era coronel e que avisaria ele sobre esse fato.

Claudia queria passar naquela rua para chegar até a casa de sua tia. Mas os agentes pediram que ela desse a volta, pois ali só era permitido a entrada de pessoas que morassem naquela rua.