A autora do processo de Impeachment que afastou Dilma Rousseff do poder, Janaína Paschoal, está vivendo momentos tensos dentro da Universidade de São Paulo (USP). Acontece é que no mês de setembro deste ano, Janaína se submeteu a um concurso de professores titulares da famosa universidade, o último degrau da sua carreira acadêmica, mas foi reprovada.

Para a advogada, a reprovação veio por uma "perseguição" que ela está sofrendo dentro da universidade desde que assumiu o comando do processo de impeachment, sendo uma das responsáveis por afastar a presidente petista.

Publicidade
Publicidade

Janaína disse que é vista como uma pessoa "conservadora" na USP, e não estaria agradando alguns. Ela começou a lecionar Direito na universidade em 2003 e ao concorrer essa vaga de setembro, ela disputou com outros três professores, ficando em quarto lugar.

No entanto, um fato deixa a advogada intrigada. Um dos professores que conseguiu a vaga de titularidade teria apresentando, segunda Janaína, um trabalho "sem originalidade". O professor seria Alamiro Velludo, que ficou em primeiro lugar no concurso, mas se a lógica de Janaína estiver correta, ele não teria cumprido os requisitos de avaliação.

Advogada autora do impeachment de Dilma Rousseff
Advogada autora do impeachment de Dilma Rousseff

Em um microblog, Janaína postou que questiona a originalidade do conteúdo de Alamiro Velludo. Ela diz que o trabalho dele seria um plágio do doutorado de Leandro Sarcedo, de 2015, cujo título foi "Compliance e Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica". O título de Alamiro Velludo foi "Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica".

Leandro Sarcedo, no entanto, afirmou que não houve plágio e que o título é um macrotema, não podendo ser acusado de plágio já que há tantos outros assim.

Publicidade

Na visão do autor Alamiro Velludo, Janaína apenas não consegue aceitar o resultado dado pela banca examinadora e ele recebe essa crítica com "tristeza" e "insatisfação". Velludo diz que a advogada apenas juntou as "capas dos livros", que seriam semelhantes, porém não iguais. Ele afirma que a advogada tem total desconhecimento do conteúdo.

Outro lado da moeda, a 'perseguição'

O fato de Janaína Paschoal ter tido um importante papel na história do impeachment de Dilma pode ter gerado clima de tensão na universidade.

As ideias voltadas para o lado conservador não teria agrado, por exemplo, o professor Sérgio Salomão Shecaira, que foi um dos que concordaram a reprovação de Janaína.

Na época do impeachment, Sérgio foi um dos responsáveis por fazer um manifesto em apoio a petista Dilma Rousseff.

Leia tudo e assista ao vídeo