No último sábado (28), em uma palestra na universidade Georgetown, na cidade de Washington, no Estados Unidos, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou a respeito das críticas feitas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), gilmar mendes, contra sua pessoa.

Janot disse que as críticas de Gilmar Mendes [VIDEO] não passam de uma “cortina de fumaça” para tentar esconder algo que Gilmar não consegue ver. Segundo Janot, Gilmar Mendes não pode sair odiando a todos de forma gratuita, a não ser que ele sofra de algum tipo de doença.

O ex-procurador-geral disse também que os ataques feitos pelo ministro Mendes não foram dirigidos somente a ele, atingiu várias pessoas.

Janot não quis prestar entrevistas para imprensa depois que havia terminado sua fala durante a palestra e nem responder a perguntas referentes a Gilmar Mendes. O ex-procurador-geral Janot deixou claro que se sente à vontade para revelar tudo que sabe a respeito dos ministros.

Segundo Janot, antes ele não podia falar por estar fazendo parte da Procuradoria Geral da República (PGR), mas que agora que não faz mais parte se considera livre para responder a qualquer crítica.

Janot é aplaudido ao falar do caso JBS

As declarações foram feitas em um evento promovido para os brasileiros que estuda no Estados Unidos. O ex-procurador-geral foi aplaudido de pé quando falou sobre o acordo de delação premiada firmado com o empresário Joesley Batista, dono da JBS.

Segundo Janot, Joesley o procurou para informar que teria provas de que o Presidente da República Michel Temer [VIDEO] e o Senador Aécio Neves foram responsáveis por crimes em curso e que esses crimes não foram cometidos no passado.

Janot disse também que Joesley apresentou para ele trechos de conversas que havia gravado.

Segundo o ex-procurador-geral, eles acabaram fazendo uma autogravação em um determinado momento, e depois queriam apagar esta gravação que estava em um dos aparelhos que já havia sido entregue à Policia Federal. Estes áudios foram apagados, mas a PF conseguiu recuperar.

A Justiça acabou confirmando que eles continuavam praticando crimes, e os benefícios firmados no acordo acabaram sendo anulados. Janot disse que fez um pedido de rescisão do acordo e pediu a prisão deles.

O ex-procurador-geral afirmou que o maior desafio que o Brasil enfrenta é dar prosseguimento nas investigações de irregularidades. Segundo Janot, o combate à corrupção deve continuar.