Nessa segunda-feira (16), o empresário Mariano Marcondes Ferraz, réu na Operação Lava Jato, acusado pelos crimes de lavagem de dinheiro e por corrupção, prestou depoimento ao Juiz Sergio Moro, no qual afirmou que a operação foi um "grande alívio" para todos os empresários que possuíam seus negócios com a Petrobras.

Mariano Marcondes Ferraz que é sócio da empresa Decal do Brasil, pagou propina ao antigo diretor da estatal Paulo Roberto Costa para ter seus contratos renovados.

O valor pago de propina foi de aproximadamente US$ 870 mil, que equivalem a cerca de R$ 2,76 milhões.

Segundo informações obtidas, o empresário fez a afirmação logo após o juiz Sérgio Moro informar que os pagamentos das propinas foram feitos a Paulo Roberto Costa pela empresa Decal do Brasil entre os anos de 2011 e 2014, em uma conta internacional na Suíça, em nome de Humberto Sampaio Mesquita, que era genro de Paulo.

Diante da afirmação, Ferraz concluiu que o pagamento só cessou porque as investigações da Lava jato começaram e que os empresários que pagavam propina puderam respirar aliviados.

O empresário que é investigado pelo Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR) por ter pagado o valor de US$ 868.450 ao ex-diretor da Petrobras para ter renovados os contratos da Decal do Brasil. Ferraz fez acordo de delação premiada para colaborar com as investigações, assim como o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro Petrobras

Ambos em seus depoimentos confirmaram o pagamento e recebimento do valor da propina, porém divergiram quanto ao agente. Ferraz afirmou em seu depoimento que foi Costa quem pediu o valor da propina para dar andamento nos contratos. Já Costa, que é testemunha de acusação no processo, em seu depoimento disse que tinha como função agilizar as renovações, mas não se lembra se a propina foi oferecida por Ferraz ou era ele quem a solicitava.

Operação Lava Jato

O empresário Mariano Marcondes Ferraz terminou seu depoimento a Moro, dizendo que se arrepende de sua conduta e que jamais a repetiria.

A Operação Lava Jato teve início no ano de 2014 e trata-se de um conjunto de investigações em andamento, todas autorizadas pelo juiz Federal Sergio Moro, na qual conta atualmente com 45 fases operacionais. As investigações envolvem crimes como lavarem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, organização criminosa, obstrução de Justiça, vantagem indevida, gestão e operação fraudulenta de câmbio.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo