Em meio ao discurso eleitoreiro sobre a educação pública em Brasília, nessa segunda-feira (9), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu comentar sobre as várias ações judiciais que se acumulam contra ele na Justiça. "Eu sei que lascado, todo dia tem um processo", classificando as acusações como "mentiras", revelou o petista.

O ex-presidente afirmou ainda que não espera de Sérgio Moro, juiz responsável pelo julgamentos em primeira instância da Operação Lava Jato [VIDEO], da 13ª Vara Federal, no Paraná, sua absolvição. "Ru não quero nem que o Moro me absolva", afirmou o petista. Porém, disse que aguarda por um pedido de desculpas do juiz, uma vez que exige respeito para com sua pessoa, em se tratando de um cidadão digno, conforme aponta sua vida pública, ressaltou o líder do Partido dos Trabalhadores (PT).

Segundo Lula, o magistrado e promotores de Justiça estão equivocados com as acusações que foram feitas ele, reafirmando que todas as versões são caluniosas [VIDEO]. Além disso, o ex-presidente afirmou que espera que as pessoas tenham respeito em relação a ele.

Lula foi adiante se utilizando do mesmo discurso, desafiando ao dizer que agora não tem mais medo. Desta forma, não poderá aceitar as investidas da Polícia Federal (PF), tampouco do Ministério Público Federal (MPF), que foram aceitas pelo juiz Sérgio Moro.

A primeira sentença a qual o ex-presidente foi condenado há nove anos e seis meses foi publicada em julho por causa dos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva em decorrência do caso do tríplex na cidade litorânea do Guarujá, em São Paulo.

Segundo as apurações, Lula recebeu o imóvel como pagamento de vantagens indevidas (propina) em troca de favores que beneficiaram a empreiteira OAS através de contratos fraudulentos com a Petrobras.

Além dessa, o petista já tornou réu em outras seis ações penais.

Em Brasília, Lula sustentou que o seu desejo de ser candidato à Presidência da República em 2018 prevalece, desafiando seus futuros adversários. No entanto, o dilema é que o País está repleto de jovens, adultos, velhos como ele, além de crianças que já entendem o significado de política.

Por fim, o petista alfinetou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), também pré-candidato a presidente em 2018, sinalizando que as pesquisas o tem como o candidato mais bem votado para as Eleições de 2018, mantendo uma grande distância em relação ao segundo colocado. "O Bolsonaro agradou o mercado", então continuou Lula, sinalizando que o Partido Trabalhista (PT) tem que "desagradar o mercado". Ele finalizou dizendo em que não é um demônio e quer respeito.