O presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ), ficou muito irritado com a resposta da defesa do presidente da República Michel Temer [VIDEO], Eduardo Carnelós, sobre o "vazamento" da delação premiada do doleiro Lúcio Funaro. A defesa de Temer enfatizou que alguém que quer transmitir instabilidade política no Brasil "vazou" vídeos em que Funaro acusa Temer de ter cometido crimes.

No entanto, as gravações que a defesa diz ter sido "vazadas", indo contra o ornamento jurídico, são facilmente encontradas no site oficial da Câmara dos Deputados e estão disponíveis desde o dia 29 de setembro. Segundo Rodrigo Maia, o conteúdo da delação de Funaro não estava sob sigilo e foi enviado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em entrevista neste último domingo (15) para o jornal "Folha de S.Paulo", Rodrigo Maia disse que se sentiu agredido pelo advogado de Temer. O presidente da Câmara se dirigiu a Carnelós com adjetivos de "incompetente e irresponsável". Além do mais, Maia disse que os servidores da Câmara dos Deputados entrarão com um processo contra o advogado.

Eduardo Carnelós enfatizou que foi realizado um "criminoso vazamento", não citando nomes de quem poderia ser o responsável por colocar à tona a delação do doleiro. O jornal "Folha de S.Paulo" foi o responsável por transmitir trechos da delação que evidenciam crimes de Michel Temer. O presidente da República teria participado de um esquema envolvendo o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Segundo a delação, Cunha era conhecido como o "banco" dos corruptos e as propinas que recebia também eram repassadas para Michel Temer.

A resposta do advogado de Temer contra as denúncias de seu cliente fizeram Rodrigo Maia declarar que apenas cumprirá seu papel institucional como o presidente da sessão. A delação de Funaro faz parte da segunda denúncia apresentada pelo ex-procurador-Geral da República Rodrigo Janot. Temer é acusado de crimes de Corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa.

Rodrigo Maia mostrou-se decepcionado e perplexo e disse que é "uma pena" o presidente Temer ter Eduardo Carnelós como seu advogado de defesa. Em comunicado, Maia conta que sempre agiu dentro da legalidade na Câmara.

Provas

Maia pegou um documento assinado pelo secretário-geral da Mesa da Câmara, Wagner Padilha, que comprova que todos os documentos sobre o caso foram entregues para a defesa de Temer e que o sistema da Câmara tem os dados disponibilizados, pois não está sob sigilo. Toda a documentação foi entregue como prova para a defesa [VIDEO], o documento também tem a confirmação dos ministros da Suprema Corte, Cármen Lúcia e Edson Fachin.