Mesmo após gravações entre o presidente Temer e o dono da JBS, Joesley Batista, onde empresário comenta diversos crimes que teria cometido, como a compra do silêncio de um dos operadores do PMDB, Lúcio Funaro e do ex-deputado Eduardo Cunha, o atual presidente do Brasil teve o apoio de 251 deputados em vitória apertada contra 233 votos não favoráveis.

Em manobra, a oposição tentou durante quase oito horas esvaziar o Plenário para provocar o adiamento da votação.

Somente em torno das 17 horas, foi possível atingir o quórum mínimo para dar início aos trabalhos.

Ainda com o resultado partidário, o placar da votação é grande indicador de complicações nas reformas políticas, como a da Previdência.

Danilo Gennari, sócio da Distrito Relações Governamentais em Brasília, em comentário à rede de notícias Reuters afirmou que: “[O resultado] Só consolida o fato de que Temer continua na mão do Congresso”.

Acrescentou ainda: “Acho pouco provável que o governo consiga mobilizar para grandes reformas.”

Embora tenha sido uma vitória clara para Temer, o presidente tem seu governo enfraquecido devido aos repetidos escândalos. Nas últimas semanas, o Chefe de Estado teve seus aliados assegurando mesmo apoio que na votação anterior, onde teve seu processo arquivado.

Na primeira votação, o deputado e relator Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) propôs o arquivamento da acusação formal feita pela Procuradoria-Geral da República.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer Política

O primeiro êxito de Temer, lhe rendeu 263 votos favoráveis,12 votos a mais do que na segunda votação, e 227 contrários, seis votos a menos do que na segunda votação.

Em discordância, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirma que com o fim das denúncias contra o presidente Michel Temer, é possível abrir mais espaço para a agenda reformista, além de novos projetos no plenário. Ele não quis comentar sobre a votação desta quarta-feira ser um forte indicativo da possível rigidez do Legislativo contra o governo.

Maia declarou: "Eu não vou ficar ensinando ao presidente da República, que já foi presidente da Câmara por três vezes, como ele tem de manter a relação dele com o parlamento".

Para o democrata, o resultado da votação demonstrou a cumplicidade de seus companheiros ao governo. "A gente não pode negar que o presidente, apesar de ter tido uma perda na sua base, teve dois resultados melhores do que a expectativa de todos nós", acrescentou.

A vitória de Temer é destaque em grandes jornais internacionais

Ao jornal britânico The Guardian, Matthew M. Taylor membro do Conselho de Relações Exteriores, acentuou que a durabilidade do atual governo se deve em parte porque tantos colegas políticos também estão sendo acusados. "À medida que você olha para o Congresso e reconhece que pelo menos um terço e meio está metido em escândalos, não há muitas outras pessoas que tenham um perfil nacional que possam governar neste momento", disse Taylor.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo