O ex-presidente Luiz Inácio Lula [VIDEO]da Silva (PT) recebeu, na última segunda-feira (16), do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), um parecer jurídico confirmando a possibilidade de sua candidatura para concorrer nas próximas Eleições em 2018, caso ele queira disputar a presidência. O parecer jurídico foi assinado pelo professor Luiz Fernando Casagrande Pereira, que mora no estado do Paraná. Com certeza, essa notícia alegra a todos que apoiam Lula.

No parecer está dizendo que Lula poderá participar das eleições [VIDEO] presidenciais no ano que vem, ainda que ele venha a ser condenado no julgamento de segunda instância.

Segundo o professor Pereira, ainda que a situação de Lula esteja crítica, o PT ainda poderá registrar a candidatura do ex-presidente Lula no Tribunal Superior Eleitoral (STE) no mês de agosto do ano que vem.

E ainda que todos os prazos para julgamentos forem cumpridos dentro das datas pré-estabelecidas e Lula for condenado e assim caber dentro da sentença um pedido de afastamento, ainda sim isso só ocorreria no mês de setembro, e durante este intervalo Lula já estaria fazendo suas campanhas eleitorais pelo Brasil.

O professor Pereira já elaborou outros dois pareceres a pedido do Presidente da República Michel Temer, referente ao processo no qual Temer estava sendo julgado no Supremo Tribunal Eleitoral. E agora, a pedido do PT, estudou a situação na qual se encontra o ex-presidente Lula.

Processos envolvendo Lula

O ex-presidente Lula que já foi condenado a nove anos e seis meses na Operação Lava Jato, pelo Juiz federal Sérgio Moro, durante as investigações do caso envolvendo um tríplex, que fica localizado no Guarujá.

Além desse, o ex-presidente está respondendo a outros seis processos judiciais.

Lula recentemente prestou um novo depoimento ao juiz Sérgio Moro. Lula respondeu a um interrogatório sobre a acusação de ter recebido propinas da construtora Odebrecht através de contratos ilícitos entre 2004 e 2012.

Lula também responde a outro processo no qual está sendo acusado de ter recebido um terreno da Odebrecht como propina, esse processo teve início no ano 2016. Segundo a Justiça, esse terreno seria usado para construir o Instituto Lula. O ex-presidente também está respondendo por tentar obstruir a Justiça.

A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público no ano passado. Segundo o MP, Lula e outros políticos tentaram comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.