O atual presidente do Brasil, Michel Temer, precisou ser submetido a um procedimento cirúrgico. A intervenção foi realizada na noite da última sexta-feira (27). O tipo de cirurgia a qual Temer foi submetido é chamado de desobstrução uretral. Assim que a cirurgia foi realizada, Michel Temer precisou ser levado para a unidade de terapia semi-intensiva.

Segundo informações do boletim médico do hospital Sírio-Libanês, Michel Temer teve a sonda retirada na manhã deste domingo (29) [VIDEO].

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Michel Temer

Caso não haja nenhuma intercorrência, o presidente deve receber alta hospitalar na tarde desta segunda-feira (30). O retorno ao trabalho está previsto para acontecer no próximo dia primeiro de novembro, quarta-feira.

A previsão é que ele tenha apenas dois dias para repousar em sua residência na cidade de São Paulo.

Ainda de acordo com as informações do boletim médico, o estado de saúde [VIDEO] de Michel Temer é estável. A divulgação do comunicado aconteceu aproximadamente às 13h deste domingo.

A sonda ou cateter urinário retirado do presidente é um tubo que pode ser de látex, silicone ou poliuretano. Esse cateter é inserido através do canal da uretra até a bexiga para poder fazer a coleta da urina.

O problema de saúde do presidente começou na última quarta-feira (25). Ele precisou ser internado às pressas depois de passar mal. A internação aconteceu no hospital militar de Brasília e Michel Temer passou por um procedimento para desobstruir o canal urinário e lá foi colocada a sonda para coletar a urina, até que ele passasse pela cirurgia.

O presidente foi hospitalizado no Sírio-Libanês apresentando um quadro de retenção de urina ocasionado por uma hiperplasia benigna da próstata.

Ainda conforme Srougi, a próstata de Temer estava crescendo e formando dessa maneira uma rede de vasos sanguíneos. Os médicos constataram isso durante o exame preliminar realizado antes da cirurgia. Era essa bola de coágulos de sangue, que estava obstruindo a uretra. Isso foi retirado para evitar que Michel Temer tivesse sangramentos novamente.

O presidente tinha coágulos que sangravam, havendo assim a probabilidade que o sangramento perdurasse por mais tempo, caso o procedimento não tivesse sido realizado. No entanto, os médicos deixaram claro que após realização da cirurgia é muito difícil que esse quadro volte a se repetir, porém não é impossível.

Quando o Temer saiu do hospital na última quarta-feira, ele estava na companhia de sua esposa Marcela Temer e fez questão de dizer aos jornalistas que o aguardavam que estava tudo bem e que continuava inteiro.

De acordo os assessores, o presidente retornou para o Palácio do Jaburu. Este lugar é a casa oficial do vice-presidente da República. Temer decidiu não mudar de residência quando assumiu o cargo de presidente do país, continuando a morar no mesmo local.

O atual presidente assumiu o cargo no ano passado, após Dilma Rousseff sofrer um impeachment.