O senador Humberto Costa (PT-PE) discursou na última terça-feira (3) na tribuna do Senado a respeito da crise envolvendo os Poderes da República e defendeu que o diálogo seja restabelecido para que os ânimos não continuem acirrados.

Costa afirmou que o País está sendo jogado em um caminho perigoso e que o momento é de focar na união.

PSDB incendiou o País

O senador pernambucano declarou que quem colocou fogo no Brasil foram os tucanos, que forçaram a ruptura democrática, o que gerou o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. O petista declarou ainda que os que tacaram fogo no País, como o caso do PSDB, agora não conseguem mais controlá-lo e ainda estão sendo queimados, inclusive as próprias lideranças tucanas.

Costa lamentou o que está ocorrendo com ataques às artes, museus e pessoas sendo perseguidas, livros sendo banidos. Segundo ele, isso são sintomas do medievalismo que vivemos.

Mandou os generais se calarem

Costa citou que a crise brasileira é tão grande que já há generais falando em intervenção militar. Em tom firme, o senador sugeriu que os generais se calassem e cumprissem o papel que a Constituição atribui a eles, porque, "dessa forma, ajudarão a combater a crise”, afirmou.

O senador também criticou durantem a forma de agir de alguns integrantes da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário, e defendeu a liberdade de Lula para ser candidato em 2018, afirmando que sem o ex-presidente concorrendo, não existirá Democracia.

O caso dos generais

A polêmica envolvendo uma nova intervenção militar teve início há algumas semanas, quando durante um encontro ocorrido na Loja Maçônica Grande Oriente do Brasil, em Brasília, o general Antônio Hamilton Mourão respondeu a uma pergunta e não descartou que diante da grave crise pudesse ocorrer uma intervenção militar.

Ele ainda citou que outros militares [VIDEO] pensavam a mesma coisa.

Alguns dias depois, o comandante do Exército Brasileiro, Eduardo Villas Bôas, participou do talk show de Pedro Bial, na Globo, e afirmou que o general Mourão não seria punido pelas declarações que fez e que as Forças Armadas tem mandato para fazer (uma intervenção militar) na iminência do caos.

As duas declarações deixaram muitas pessoas surpresas e aflitas, pois, até então, o Exército vinha mantendo uma posição de neutralidade diante da crise política. Mas também há uma parte da população que defenda a volta dos Militares ao poder.