A liminar protocolada nesta segunda-feira (23), no Tribunal Regional Federal da segunda região, pelos advogados do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio cabral, foi negada pelo desembargador Abel Gomes. O documento pedia a não transferência de Sérgio Cabral para uma prisão [VIDEO] federal.

O juiz Marcelo Bretas concedeu ao desembargador o vídeo com as gravações do depoimento [VIDEO] de Cabral, no qual ele acabou aceitando a transferência do ex-governador para um presídio federal.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Política

Durante o despacho, o desembargador afirmou que as palavras que o ex-governador usou mencionando a família do juiz não foram apenas um desabafo, como alegou a defesa.

Para o desembargador, ficou bem claro que Cabral recebia informações privilegiadas sobre a família de Marcelo Bretas enquanto estava preso, lembrando também sobre informações que obteve sobre certas regalias recebidas por Sérgio Cabral no presídio de Benfica.

Abel também comentou que, no vídeo do depoimento, Sérgio Cabral enfrentou o juiz Bretas várias vezes, tentando constranger a autoridade Judiciária Federal, insinuando que todo o processo era uma espécie de "teatro" e que claramente aquilo era uma obra do juiz para se autoprojetar.

Além disso, segundo o desembargador, Sérgio Cabral tentou intimidar claramente o juiz, chegando a dizer que ele estaria tentando se promover com o Caso e, com isso, satisfazer um desejo de projeção pessoal.

Partes do interrogatório

O interrogatório foi palco de muitas discussões e clima de muita tensão. A princípio, o assunto em questão foi a suposta compra de joias com a utilização de dinheiro proveniente de propina. Cabral chegou a dizer que o magistrado teria intimidade com o assunto, já que este último teria familiares que atuam no ramo das bijuterias.

“Não se lava dinheiro comprando joias. Vossa Excelência (Bretas) tem um relativo conhecimento sobre o assunto porque sua família mexe com bijuterias. Se não me engano, é uma empresa de bijuterias”, disse Cabral. O juiz Bretas afirmou não se sentir confortável com aquela situação. “Será que representa alguma ameaça velada? Não sei, mas o fato é que é inusual”, indagou o juiz federal.

Em meio à confusão, o interrogatório chegou a ser suspenso por alguns minutos, mas, em seguida, foi retomado de forma mais tranquila. “Eu estou sendo injustiçado. O senhor (juiz) está encontrando em mim uma possibilidade de gerar uma projeção pessoal, e me fazendo um calvário, claramente”, disse o ex-governador.

O Departamento Penitenciário Federal (DEPEN) informou que já recebeu o ofício do juiz Marcelo Bretas, nesta terça feira (24), às 19h40 (horário de Brasília), pedindo transferência de Sérgio Cabral para um presídio de segurança máxima. O DEPEN deve analisar o pedido e, depois de definir o presídio federal mais apropriado ao perfil do preso, a solicitação será encaminhada ao juiz corregedor para que ele verifique sua procedência.