Os deputados que votaram na segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Michel Temer [VIDEO]começam a ser "punidos" pelo Planalto. Os "traidores [VIDEO]", como são vistos pelo Executivo, terão os cargos que lhes foram ofertados cortados. Os cortes começaram oficialmente na segunda-feira (30), quando o indicado pelo deputado Mauro Mariani (PMDB-SC) para um cargo de direção no Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) foi exonerado de sua posição.

Após a votação da denúncia, o governo detectou oito deputados "traidores". Eles chegaram a essa lista após compararem deputados que votaram a favor de Temer na primeira denúncia e mudaram seu voto na semana passada.

A lista de deputados considerados "traidores" pelo Planalto é composta por: Mauro Mariani (PMDB-SC), João Campos (PRB-GO), Cícero Almeira (PODE-AL), Abel Mesquita (DEM-RR), Jaime Martins (PSD-MG), João Paulo Kleinübing (PSD-SC), Heuler Cruvinel (PSD-GO) e Delegado Éder Mauro (PSD-PA).

A exigência de punições contra deputados da base aliada já vem de algum tempo. Após a rejeição da primeira denúncia contra Temer, líderes do Centrão se posicionaram a favor da detecção e punição aos "traidores". A falta de resposta do Planalto foi apontada como um dos fatores para que a segunda denúncia tivesse maior apoio.