O juiz federal [VIDEO]Marcelo Bretas, da 7° Vara Criminal do Rio de Janeiro, teve sua decisão barrada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) gilmar mendes. O caso aconteceu após Bretas relatar que se sentiu ameaçado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral e decidiu mandá-lo para um presidio de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. No entanto, Mendes resolveu barrar a decisão analisando não ter acontecido "nada demais"

No último dia 23, o interrogatório de Sergio Cabral foi marcado por uma discussão com o juiz federal. O ex-governador disse que estava sendo injustiçado e falou que a denúncia seria um "roteiro mal feito".

Com os ânimos à flor da pele, o depoimento teve que ser suspendido pelo tempo de 5 minutos. No entanto, uma fala de Cabral chamou atenção de Bretas, o ex-governador estava sendo julgado pela compra de joias realizadas com dinheiro de propina e mandou um recado, dizendo que o juiz "entenderia do assunto de joias", já que teria familiares no ramo de bijuterias.

O juiz federal acatou a reação irônica de Cabral como uma ameaça contra ele e sua família. Em uma entrevista para o "Estadão", Bretas disse que seus familiares são donos de uma grande loja de bijuterias. Após o depoimento, Bretas concordou com um pedido do Ministério Público Federal (MPF) para a transferência de Cabral para um presídio em outro estado, e também como uma forma de se "proteger" das supostas ameaças.

Conflito entre STF e MPF

O ministro Gilmar Mendes disse que analisou o depoimento e as falas de Cabral e considerou que o caso aconteceu em tom "ríspido", porém não conseguiu encontrar "ameaças".

Mendes foi contra juiz Bretas e o MPF, barrando a decisão de mandar Cabral para Campo Grande.

A decisão de Mendes trouxe impacto com o MPF, o procurador-Geral da República e coordenador da força tarefa das Operação da Lava Jato, Deltan Dallagnol, disse que o ministro desmoralizou a decisão da Justiça e mandou solidariedade para o Bretas, avaliando que o juiz está condenando criminosos poderosos corajosamente.

Sergio Cabral é acusado de crimes de corrupção passiva [VIDEO], organização criminosa e lavagem de dinheiro. Bretas decidiu por transferi-lo após observar que Cabral estaria sabendo de informações particulares do juiz. Ao ser reeprendido por Bretas, que disse para o politico não contar histórias sobre sua família, Cabral disse que as informações que ele sabe é porque alguém lhe contou.