O deputado federal e pré-candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ)e os filhos, Flávio, Carlos e Eduardo, após participarem de um café da manhã com analistas de mercado e investidores, em Nova York (EUA), foram convidados pela especialista em América Latina Shannon O´Neil para participarem de uma reunião na sede do Council Of Foreing Relations, o prestigiado centro de estudos americano, o think tank.

Logo após o café matinal com os investidores americanos, chegou um e-mail na caixa de entrada do cicerone brasileiro americano de bolsonaro, Gerald Brant, os convidando para uma reservada reunião, que logo os Bolsonaro foram falar sobre a visão de país no coração do establishment dos Estados Unidos, e Gerald os conduziu, além de ser o tradutor e intermediador.

A família considerou a viagem extremamente importante após meses de negociações conduzidas por Brant, resultando no primeiro passo para estreitar laços para a construção de bases da campanha, deixando os ideais intervencionistas para apoiar o liberalismo econômico.

Quem é Brant?

O intermediador das negociações é influente na Câmara de Comércio Brasil/Estados Unidos por ser diretor na empresa de investimentos Stonehaven, em Manhattan, que fica no centro do mercado financeiro americano. É Um homem de 45 anos considerado discreto, com uma carreira conceituada passando por New Oak e pelo Banco Merril Lynch, entre outros.

Brant é amigo do filho mais velho de Bolsonaro, Flávio, e fez as negociações voluntariamente fora do expediente comercial.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Ele é filho de mãe americana e pai brasileiro, nasceu em Chicago e mudou-se para o Rio de Janeiro nos anos 1980. O pai dele é de origem de uma tradicional família mineira no Brasil. Houve um período que ele morou em Bruxelas e em Varsóvia, quando a Polônia estava sob o domínio da União Soviética, já que seu pai era diplomata.

Considerado também anticomunista e católico praticante, estreitou laços com o movimento anticomunista quando esteve por um período no Rio, em 2000.

É cientista político com mestrado em administração pela Universidade Duke, nos EUA. Ao mesmo tempo em que era propagador do laissez-faire (liberalismo econômico) no mercado financeiro, defendia os valores tradicionais.

Quando retornou à Nova York, não perdeu o contato com a família Bolsonaro, até mesmo porque sempre retorna ao Brasil para visitar a mãe na capital carioca. É nessas vindas que ele participa de jantares com Flávio e o economista e blogueiro Rodrigo Constantino, no restaurante Artigiano, em Ipanema.

Há rumores que ele é um candidato fortíssimo a ser o interlocutor de assuntos internacionais, caso Bolsonaro venha concretizar sua candidatura, já que há previsões de viagens para Londres, Coréia do Sul e Japão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo