Na última quarta-feira (29), em uma palestra que aconteceu num congresso em São Paulo, o sócio responsável pela gestão da GTI Administração de Recursos, André Gordon, mostrou um novo ponto de vista sobre a possível eleição do deputado federal Jair Bolsonaro [VIDEO] nas Eleições de 2018.

Jair bolsonaro tem se posto numa posição política de pró-mercado, o que representa um bom sinal para os investidores sobre como sua eleição iria refletir na bolsa e nos investimentos, porém apesar dessas evidências, a maioria dos investidores continua bastante receosa em relação ao deputado.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Jair Bolsonaro

Essa informação de rejeição é com base em uma pesquisa feita pela XP Investimentos com investidores institucionais. Na opinião da maioria, o Ibovespa vai entrar em declínio e o dólar em alta, num cenário em que Bolsonaro se torne presidente do país.

Mas o gestor André Gordon foi em oposição a maioria quando afirmou que a eleição de Bolsonaro pode ser benéfica para o cenário econômico, devido a sua posição pró-mercado. Sua afirmação não foi feita apenas com base em entrevistas do presidenciável, mas o gestor afirmou ter tido uma reunião com os assessores do novo partido de Bolsonaro, o Patriota (antigo PEN - Partido Ecológico Nacional). Segundo Gordon, a bolsa irá crescer com o conservador no poder [VIDEO].

Nesta semana, o deputado federal mencionou o nome do economista Paulo Guedes, que é uma das referências brasileiras na economia, falando sobre uma pretensão de o botar numa posição no ministério da Fazenda em caso de sua eleição. E Gordon falou sobre a decisão de Bolsonaro em tom de aprovação. Paulo Guedes é um economista brasileiro, que é um dos principais representantes do liberalismo no Brasil, sendo co-fundador do Instituto Millenium e PhD em economia pela Universidade de Chicago, que é um instituto referência entre os liberais.

Regime Militar

O economista acredita que a visão equivocada da maioria quanto a Bolsonaro se dá pela ligação do deputado com o regime militar, que automaticamente o liga a medidas de estatização, mas Gordon acredita que esteja ocorrendo uma evolução perceptível com relação ao deputado e seus discursos. E além disso, há a grande influência negativa que a mídia traz ligada ao nome de Bolsonaro. A posição do deputado de oposição à reforma da previdência também faz com que sua imagem seja prejudicada no ponto de vista do mercado.

Gordon diz acreditar numa melhora significativa em caso da eleição de Bolsonaro, "a não ser que ele esteja apenas fazendo um personagem", disse o gestor.