Nos próximos dias 4 e 8 de dezembro o ex-presidente e réu em processos na Justiça, Luiz Inácio Lula da Silva, irá visitar o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). No entanto, a visita não estaria agradando membros do Partido dos Trabalhadores (PT). O Complexo é um grande alvo de investigação [VIDEO]das Operação Lava Jato, sendo o foco de Corrupção de políticos do Rio, como o ex-governador e atual preso Sérgio Cabral.

Lula irá em uma caravana passando pelo Espírito Santo e Rio de Janeiro, mas dirigentes do PT não estão nada satisfeitos com a decisão do ex-presidente e temem pelo fato de Lula ser associado com Sérgio Cabral e Anthony Garotinho, ambos do PMDB.

A visita de Lula também poderá ser atrelada com o governador Luiz Fernando Pezão, que está passando por sérias dificuldades por ter se associado a crimes de corrupção no estado carioca. Um dirigente do PT foi enfático: ''uma burrada sem tamanho''. A decisão de Lula poderá se tornar um ''tiro no pé'' do ex-presidente que já está com grandes problemas na Justiça, e caso ele ''mantenha-se perto'' de outros nomes ligados a corrupção, poderá piorar ainda mais sua imagem perante a opinião pública.

A viagem está marcada desde maio e Lula, em momento algum, cogitou abandonar a visita. O objetivo é avaliar que a obra no Comperj precisa continuar, e enfatizar que ela teria sido abandonada conforme o andamento das investigações da Operação Lava Jato. Um dos dirigentes do PT disse que o momento é para mostrar que o Rio de Janeiro já esteve em ''bons tempos'' na época em que Lula e Dilma Rousseff estavam no poder.

Corrupção que devastou o Rio de Janeiro

As obras da Comperj prometiam um custo de US$ 8 bilhões e geração de 200 mil empregos. No entanto, conforme crimes de corrupção foram sendo descobertos, as obras foram paralisadas, canteiros abandonados e cerca de 27 mil desempregados.

Lula teria cogitado Sergio Cabral como o vice de Dilma Rousseff na época das eleições de 2010. Investigações complicaram a vida do ex-governador e de sua mulher, Adriana Ancelmo, após denúncias através de delação premiada de executivos da empresa Andrade Gutierrez. Delatores afirmaram que mesadas de R$ 2,7 milhões foram pagas a Sergio Cabral.

Mesmo setores do PT [VIDEO]apresentarem discordância, o petista irá comandar a caravana e visitar dez cidades em quatro dias. Neste ano, Lula já participou de outras duas caravanas, no Nordeste e em Minas Gerais.