O desembargador e relator dos processos da Operação Lava Jato em segunda instância, João Pedro Gebran Neto, participou da conferência Latino-americana de Jornalismo de Investigação (Colpin) em Buenos Aires, Argentina. O juiz resolveu fazer um grande alerta para jornalistas de vários países latino-americanos em relação às tentativas de barrar investigações contra corrupção.

Ao iniciar, Gebran comparou a famosa operação italiana Mãos Limpas e disse que ela trouxe dois aprendizados: o primeiro foi o da "inspiração" na forma com que juízes conduziram as investigações; o outro foi o da tentativa de um grupo de pessoas barrarem as investigações.

O medo do desembargador é que a Operação Lava Jato [VIDEO]tenha o mesmo desfecho da Operação Mãos Limpas, em que investigados se reorganizaram e reagiram contra.

João Gebran Neto avaliou que durante os quatro anos de Lava Jato muitas pessoas se frustraram, tentando apostar que iriam se livrar da Justiça como ocorria no passado. No entanto, há o perigo de acontecer um desfecho nada positivo nas investigações, segundo a reação institucional, retrocessos podem acontecer. Gebran enfatiza: "Podem colocar a Lava Jato em xeque".

Alguns dos motivos que fizeram o desembargador a dar tal declaração foram as tentativas de políticos de aprovarem a lei de abuso de autoridade, que poderia tirar a autonomia de juízes e procuradores e também o entendimento de que um réu só poderia ser preso caso tenha esgotado todas as possíveis medidas de recorrer a um processo.

O desembargador explicou que é argumentado que uma prisão com trânsito em julgado beneficia uma pessoa com poucos recursos, mas ele aponta que este tipo de processo nem chega ao Supremo Tribunal Federal (STF), e isso não é questionado. Gebran cita que a pessoa que tem condições de contratar advogados nunca fica na cadeia.

Imprensa brasileira

A imprensa brasileira [VIDEO] foi elogiada pelo desembargador. Gebran diz que o sucesso da Lava Jato se deu pela postura vigilante da imprensa. Ele contou que as investigações puxaram a pena de uma galinha e com isso veio a galinha inteira. A Lava Jato se estendeu no Brasil todo, podendo ainda chegar à região do Nordeste. Gebran disse que a operação puxou o "galinheiro todo".

O jornalista Fernando Rodrigues do portal "Poder360" foi quem apresentou o juiz como linha dura. A conferência foi realizada com apoio da Transparência Internacional e da Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura).