Embora na frieza das urnas ela represente uma adversária, Lula está disposto a fazer uma campanha conjunta com Manuela D'Ávila, pré-candidata do PCdoB à presidência da República em 2018. Pela primeira vez desde 1989, PT e PCdoB devem ter candidatos diferentes, sem aliança, em uma eleição.

Neste domingo, 19, em participação no Congresso do PCdoB em Brasília, Lula discursou por aproximadamente 40 minutos e fez muitos elogios à postura do partido comunista ao lançar sua própria candidatura. Ele ventilou a possibilidade de uma campanha [VIDEO] conjunta entre as siglas.

"Mesmo quando a gente faz uma campanha e acabamos perdendo, isso não quer dizer que ela deu errado.

Se fizermos uma campanha bem organizada, bem postada ideologicamente falando e tivermos militância na rua, vale a pena. Da minha parte, só vão estranhar se em algum momento daqui em diante eu aparecer nos comícios da Manuela", comentou Lula [VIDEO].

Apesar das candidaturas separadas, os partidos certamente estarão juntos em caso de segundo turno, que é o cenário apontado pela maioria das pesquisas prévias até agora. Os levantamentos indicam que Lula enfrentaria o sempre polêmico deputado federal Jair Bolsonaro em segundo turno.