Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) entraram em situação complicada com o andamento da maior operação anti-corrupção do Brasil, a Lava Jato. O Supremo quer dar seu parecer em três decisões importantes envolvendo as investigações e ainda lidam com a forte pressão popular de apoio à Lava Jato. As decisões serão certeiras: ou irão abalar as investigações ou irão consolidá-las. Veja a seguir o que os ministros do STF pretendem debater.

Para o Supremo, a forma como a Lava Jato conduz as investigações deixou um ponto de interrogação sobre o direito atribuído pelos investigadores, alertando também outras operações que citam ser um "rastro de dúvidas".

Publicidade
Publicidade

Os acordos de delação premiada que são firmados envolvendo a Procuradoria Geral da República (PGR) e o Ministério Público Federal (MPF) estariam causando transtorno. Em um episódio recente, o ministro Ricardo Lewandowski devolveu para a Procuradoria o acordo de delação do marqueteiro Renato Pereira. Segundo o ministro, a colaboração estava em aspecto "ilegal". Com isso, surgiu uma discussão de que os acordos de delação para serem homologados caberia a um "jogo de loteria". Ou seja, teriam que ver na sorte se o ministro irá dizer "sim" ou ''não'' para a delação.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Governo

Uma outra decisão do STF mexe com o Ministério Público, em que se abriria espaço para fazer uma revisão de penas dos réus colaboradores nas investigações. O STF estaria "de olho" para reduzir o tempo de cadeia de réus que colaboraram com as investigações, acreditando que se não fizerem isto, delações como a do ex-ministro Antonio Palocci e de Léo Pinheiro, da OAS, nem irão surgir.

O ex-ministro do STF Carlos Velloso avaliou que a Suprema Corte precisa se manifestar sobre essas questões.

Publicidade

Rodrigo Janot comenta caso

O ex-procurador-Geral da República Rodrigo Janot comentou a decisão de Ricardo Lewandowski em barrar o acordo de delação de Renato Pereira. Segundo o ex-procurador, a decisão do ministro irá inviabilizar os acordos futuros de delação. Janot questionou o fato de que o Estado não ir dar nenhuma garantia para o réu, prejudicando o rumo da delação.

A opinião do ex-ministro do STF Ayres Brito garante que quaisquer decisões não irão afetar a delação premiada, pois o meio de investigações "veio para ficar'' no Brasil e conforme o tempo passa, mais familiaridade o país terá com a delação, consolidando-a.

O ministro Gilmar Mendes também se manifestou e aproveitou para criticar Janot, lembrando do caso da empresa JBS, em que a delação trouxe "diversos problemas''.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo