A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se manifestou, nesta quinta-feira (16), sobre o pedido de interdição de bens dele, alegando que o MPF (Ministério Público federal) não tem qual quer base jurídica ou materialidade para fazer a solicitação na Justiça. O MPF entrou com o pedido do bloqueio de R$ 24 milhões de Lula e seus filhos no dia 27 de outubro, mas a solicitação somente foi divulgada nesta quinta pela revista Época.

Segundo o advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin, não existem provas concretas contra Lula [VIDEO], o que existe são certezas delirantes baseadas na suspeita de que o cliente [VIDEO]teria influenciado na comprar de caças da Gripen pelo país, sem ter comprovado se realmente interferiu.

A respeito do bloqueio dos bens do filho de Lula, a defesa afirma que Luís Claudio prestou serviços de marketing esportivo e que foi contratado pela empresa Marcondes e Mautoni, que tinha experiência na área.

Ele também presta serviços para algumas das maiores equipes de futebol do Brasil e também para organização e implementação de campeonato nacional de futebol americano. Para a defesa de Lula, a ação penal contra o ex-presidente e seus familiares é mais uma para se juntar com as demais perseguições políticas que já vem sofrendo. A decisão ficou nas mãos do juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília.

O magistrado já pediu para que Lula e seu filho se manifestem sobre a solicitação feita pelo MPF. Segundo o Ministério Público Federal, Lula, na condição de ex-presidente, integrava um esquema que vendia uma promessa de que ele poderia influenciar junto ao Governo para beneficiar a empresas MMC, e o grupo Caoa e Saab.

Outras pessoas que tiveram o pedido de bloqueio dos bens pelo MPF foram Mauro Marcondes e Cristina Mautoni, no caso no valor de cerca de R$ 8 milhões.

O MPF solicitou que os bens de Lula e seu filho fossem bloqueados

Foi pedido pelo Ministério Público Federal (MPF) o bloqueio de R$ 24 milhões em bens e recursos do ex-presidente e de seu filho Luís Claudio Lula da Silva. O MPF solicitou o bloqueio no processo referente à Operação Zelotes, na qual o ex-presidente está sendo acusado pelos crimes de tráfico de influência, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Na denúncia, Lula é acusado de supostamente ter interferido na compra de 36 caças do modelo Gripen, que seriam comprados pelo governo brasileiro, e interferir na prorrogação de incentivos fiscais que seriam destinados às montadoras de veículos através de uma Medida Provisória (MP). Na época em que ocorreu o caso, Lula já não era mais o presidente da República.