O novo diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, falou de diversos assuntos em sua cerimônia de posse, nesta segunda-feira (20), e um dos momentos mais fortes do evento é quando ele foi questionado sobre a Operação Lava Jato. A pergunta feita para ele é se a Lava Jato teria algum viés político-partidário. Segovia, foi bem direto em sua resposta e não titubeou.

Ele disse que não acredita em viés político-partidário nas investigações e ressalta que o juiz federal Sérgio Moro é um grande exemplo para todos. Ele caracterizou Moro com uma conduta transparente e teceu vários elogios ao magistrado. O novo diretor-geral da PF também disse que, se houvesse algum tipo de desvio nas investigações, elas já teriam sido anuladas.

Segovia também defendeu as delações premiadas, dizendo que o foco não será mudado e que conversará com todos os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO] para reforçar a importância desse tipo de instrumento para as investigações. Ele também defende que os acordos de delação premiada possam fazer parte de uma das funções da PF. Atualmente, o Ministério Público Federal (MPF) não admite que a PF feche acordos de delação e existe uma grande conflito de pensamento entre as instituições.

O novo diretor-geral afirmou que aguardará a decisão do STF sobre esse aspecto e que pretende trabalhar com mais afinidade com o MPF para que as investigações se tornem cada vez mais fortes.

Conversa com Raquel

Ele ressaltou que já teve uma rápida conversa com a nova procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, e os dois já firmaram um acordo para que os trabalhos sejam feitos em conjunto.

Questionado se ele entrou no assunto de delação com Raquel, Segovia afirmou que não seria correto num primeiro encontro já tratar de algo polêmico. Mas afirmou acreditar que tanto a PGR quanto a PF terão maturidade o suficiente para que as investigações estejam coordenadas.

Michel Temer

Em relação ao presidente Michel Temer, Segovia elogiou a postura do peemedebista. Segundo ele, Temer deu carta branca para agir da melhor forma possível contra a corrupção. Até mesmo as investigações contra o presidente acontecerão nos mesmos critérios de agilidade das outras.

Ele agradeceu a presença de Temer em sua posse. A PF não terá em nenhum momento viés político-partidário e todas as denúncias que chegarem à instituição serão apuradas com a mesma responsabilidade. As investigações trarão os fatos reais [VIDEO]sobre tudo, declarou Segovia.