O Governo do presidente da República Michel Temer poderá receber ainda mais críticas se comprovarem condução inapropriada de ministros em seu governo após um novo vazamento envolvendo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi. Segundo Investigações entregues para jornalistas de um jornal alemão chamado Süddeutsche Zeitung, compartilhadas também com o ICIJ, Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, e apuradas por jornalistas [VIDEO] brasileiros do jornal "Poder360", Meirelles e Maggi estão envolvidos em offshores.

Após o vazamento global batizado de "Paradise Papers, foi comprovado que Henrique Meirelles criou uma fundação para lidar com seu patrimônio, a "Sabedoria Foundation".

O "Poder360" informou que a empresa do ministro ainda não teria gerado lucros, mas ele já começou fazendo um depósito avaliado em US$ 10 mil, no entanto, o valor foi apresentado para a Receita Federal. Segundo a lei brasileira, é possível abrir empresas em paraísos fiscais desde que elas sejam informadas à Receita. A alternativa é para grandes empresários "fugirem" dos altos impostos propostos no Governo brasileiro. Grandes e famosas empresas utilizam dessa tática.

Segundo Meirelles, o objetivo da "Sabedoria Foundation" era receber dinheiro de parte de seus bens após sua morte, como uma forma de "gerir" suas heranças. A defesa do ministro disse que tudo está sendo declarado na Receita e que, como na época Meirelles morava nos Estados Unidos, seus advogados tinham familiaridade com casos desse tipo.

Meirelles disse que sua empresa é uma entidade filantrópica com o objetivo de atender às necessidades do Brasil.

Ministro Blairo Maggi

O ministro [VIDEO] Blairo Maggi também tem empreendimentos. A Amaggi Exportação e Importação Ltda, e a holandesa Louis Dreyfus são sócias e movimentam 10% da área de produtos agrícolas no mundo. As empresas criaram um joint venture no Brasil - empreendimento conjunto - para atuar no Maranhão, Bahia, Tocantins e Piauí. Ao potencializar as atividades no Brasil, a "Amaggi" abriu uma empresa em offshore para poder se livrar das cargas tributárias do Brasil.

No entanto, as investigações mostram que a empresa que Blairo abriu em offshore não teria nenhuma ligação com a holandesa Louis Dreyfus, mas sim, apenas nomes ligados a familiares de Blairo Maggi. No Brasil, caso valores em offshore não sejam declarados na Receita, é considerado crime.

Jornalistas buscam mais informações

Há cerca de um ano que jornalistas trabalham para realizar uma série de reportagens voltadas ao caso do "Paradise Papers". Documentos estão sendo analisados e o Brasil aparece em grande potencial no ranking de empresas abertas em paraísos fiscais.