A linha do 'tráfico de influência' e da 'impessoalidade' é [aparentemente] um tanto quanto tênue para ser tratada como é tratada [a ferro e fogo] pelo poder judiciário. O ministro do STF, Luiz Fux, por exemplo, fez uma declaração polêmica nos últimos dias, questionando se seria coerente um 'denunciado' [referindo-se ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] ser candidato à Presidente da República, uma vez que o Presidente é afastado ao ser denunciado. No caso, a declaração do ministro do STF não levou em conta o princípio da não culpabilidade (presunção de inocência), muito menos as regras da Lei (ficha limpa).

O Ministro Luiz Fux fala também sobre a 'moralidade' pública, porém, vale lembrar que algumas questões relacionadas ao próprio ministro também são, no mínimo, polêmicas. O jornalista Reinaldo Azevedo, por exemplo, em seu blog, chegou a mencionar algumas decisões controversas do Ministro Fux, inclusive uma relacionada à extensão do 'auxílio moradia' a todos os juízes e membros do Ministério Público do Brasil, produzindo alto custo para o país, aumentando [indiretamente] o 'salário' dos juízes por meio de 'indenização'.

Não obstante, além de tais considerações, outras, e não menos importantes, podem ser aqui consideradas como, por exemplo, o caso da 'polêmica' nomeação da filha do ministro Luiz Fux para ocupar o posto de desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Filha de Luiz Fux, ministro do STF, é desembargadora no TJRJ e foi nomeada por Pezão

Diversas notícias disponíveis registram que, quando Luiz Fux já ocupava o posto de Ministro do STF, sua filha, com um currículo bem modesto à época (diga-se de passagem), conforme consta em matérias publicadas na imprensa, foi indicada e, posteriormente, nomeada desembargadora pelo governador do estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lula

Na ocasião, a indicação (candidatura) foi muitíssimo criticada e enfrentou inclusive, diversas impugnações, uma delas, questionava se a filha do ministro possuía os requisitos mínimos exigidos para ocupar a vaga, como, por exemplo, tempo suficiente de atividade jurídica.

Mesmo com 'grande atraso', venceu a 'força política' de Luiz Fux, e sua filha foi nomeada pelo governador Pezão como desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Fato incontroverso é que é, no mínimo, questionável o fato de uma filha de um ministro do STF ser nomeada, em detrimento de tantos juristas de renome que o Brasil possui, muitas vezes 'esquecidos', com currículo muito mais 'robusto'.

A filha do ministro pode ter muita competência, isto não se discute, o que se discute é a força política que envolve a situação e o fato de o ministro 'criticar eventual candidatura de Lula', em detrimento do estado democrático de direitos e da presunção de inocência.

Processo contra Pezão na Lava Jato pode ser arquivado

Ainda segundo informações recentes, o Ministério Público Federal pediu o arquivamento de uma das investigações contra Pezão na Lava Jato, por falta de provas, justamente o governador que nomeou 'a filha de um ministro do STF'.

Possivelmente, o pedido do MPF será acatado e o processo deve ser arquivado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo