O Partido Rede Sustentabilidade está em busca do consenso progressivo para construir o apoio a um nome comum para disputar as Eleições no ano que vem. Marina Silva, principal nome do partido e conhecida mundialmente pelo engajamento ambiental, parece enfrentar uma falta de adesão ao seu nome e integrantes do partido já cogitaram outras figuras para a disputa eleitoral. Alguns presidenciáveis como os ex-ministros do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto já surgiram como possíveis candidatos, mas até o momento não confirmaram se participarão das eleições no próximo ano.

O consenso progressivo é uma das bandeiras que seus filiados divulgam como diferencial do partido, onde as decisões só são aprovadas após debates e aprovação orgânica de seus integrantes, respeitando as opiniões e convicções de todos e seguindo seu estatuto. Porém, alguns dissidentes alegam que na prática isto não ocorre e que as decisões são tomadas sem o conhecimento de todos e resultam em conflito e desfiliação de partidários.

Problemas internos

O Rede Sustentabilidade começou a nascer em 2013 e somente em 2015 conseguiu seu registro partidário. Ele se declara como alternativa viável contra a polarização política entre esquerda e direita e também divulgando como um novo partido político focado na plataforma da sustentabilidade.

Em 2014, chegou a disputar as eleições com seus candidatos saindo pelo PSB e tendo Marina como candidata a presidente, perdendo no primeiro turno para Dilma Rousseff (Partido dos Trabalhadores) e Aécio Neves (PSDB), mesmo obtendo mais de 20 milhões de votos válidos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Eleições

No segundo turno, apoiou o candidato tucano, deflagrando uma crise interna que acabou com a saída da ala intelectual que ajudou a moldar e fundar o partido.

Marina nega crise

Em nota oficial publicada no site do partido, Marina diz que não existe uma crise interna na agremiação e alega que existe um "jogo sujo" para desacreditar o seu nome para as eleições do ano que vem e também uma tentativa de tornar inviável o crescimento do seu partido com a divulgação de notícias distorcidas por parte dos veículos de mídia.

Também afirma que seu partido possui uma linha programática e que será seguida sem a necessidade de alianças com partidos envolvidos em escândalos de corrupção, sendo muitos deles investigados e com políticos sendo processados e presos.

O Rede possui uma bancada pequena no Congresso Nacional e não possui nenhum representante federal por São Paulo e também não possui parlamentares na Assembleia Legislativa paulista, estado que possui o maior colégio eleitoral do país.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo