Jair Messias Bolsonaro [VIDEO] já afirmou que será candidato a Presidência da República em 2018. Ainda sem partido definido para as próximas Eleições, o deputado que se elegeu pelo PSC em 2014 anda se reunindo com setores da direita para buscar apoio e planejar sua campanha de fato. Convidado para a reunião da Frente Parlamentar da Agropecuária, grupo integrado pelos deputados da bancada ruralista [VIDEO] e de maioria esmagadora de direita, Bolsonaro não foi visto com bons olhos após seu discurso. "Radical", "inconsistente" e "genérico" foram alguns dos termos usados para se referir ao deputado, numa demonstração clara de insatisfação quanto ao discurso de frases feitas e sem aprofundamento que é típico do congressista tido como "mito" por parte de seu eleitorado.

A reunião aconteceu da sede da FPA, no Lago Sul, em Brasília, à portas fechadas. Bolsonaro disse que se eleito, o Ministro da Agricultura será escolhido pela bancada ruralista, falou contra o Movimento dos Sem Terra e afirmou que fazendeiros poderão ter porte de fuzil para se defender de invasores, promessas que ele vem repetindo incansavelmente. Nas palavras do deputado Domingos Sávio do PSDB-MG, Bolsonaro continua baseando sua campanha em achismos rasos e frases feitas: "Essa campanha está nascendo como uma guerra de marketing. Eles estão mais preocupados em dar declarações que comovam a opinião pública do que fazer análises profundas", afirmou o tucano.

Além disso, as falas confusas de Bolsonaro com relação ao mercado estrangeiro desanimaram ainda mais os presentes.

O pré-candidato se mostrou contra a venda de terras a estrangeiros, o que vai ao oposto do que querem os setores agropecuários: "Não sou nacionalista, sou patriota. Quem quer comprar é a China. Ela que vai decidir o alimento que plantará. O que a gente vai comer amanhã?”, questionou ele. “Agora, se o setor quer vender, eu obedeço”, mostrando que ainda está confuso sobre o que realmente pensa a respeito.

Diante dessa situação, muitos se mostraram decepcionados com a postura de Jair Bolsonaro. Mas o deputado se diz confiante, e afirma que as críticas as suas propostas partem de um deputado "vaselina" que não tem capacidade de resolver os problemas da violência no país.

As reuniões promovidas pela FPA servem justamente para que eles apresentem suas demandas e conheçam as propostas dos possíveis candidatos à presidência, para que seja definido a quem eles devem apoiar.