No último sábado, dia 2, o partido A REDE anunciou sua pré-candidata as Eleições presidenciais de 2018. Como era de se esperar Marina Silva foi a escolhida pelo partido para a corrida presidencial.

O anúncio foi feito durante um encontro de grupos regionais do partido que aconteceu em Brasília neste sábado. Durante o encontro, que contou com a presença da pré-candidata, foi lida uma carta onde se faz duras críticas ao governo de Michel Temer condenando suas reformas como a da previdência que deve ser votada ainda esse ano.

Quando teve a palavra, Marina disse que esse não é o momento para "salvadores da pátria' pois a pátria é uma construção de todos que nela vivem.

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima é natural de Rio Branco no Acre. Psicopedagoga, historiadora, professora e ambientalista Marina entrou para a política em 1984 quando assumiu o cargo de vice-presidente da Comissão Única dos Trabalhadores do Acre (CUT-Ac). No ano seguinte, 1985, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT) onde se elegeu ao seu primeiro cargo político, em 1988, como vereadora de Rio Branco, na ocasião, Marina foi a vereadora mais bem votada. Em 1990 elegeu-se também com votação expressiva como deputada estadual. Em 1994 foi eleita com apenas 36 anos senadora pelo estado do Acre sendo reeleita ao cargo em 2002. Foi escolhida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministra do meio ambiente em 2003 cargo que ocupou até o ano de 2008.

Marina participou de duas eleições para presidente, a primeira em 2010 quando terminou em terceiro lugar no primeiro turno com 19,33% (cerca de 19 milhões de eleitores) dos votos, ficando atrás de José Serra (PSDB), e Dilma Rousseff (PT).

Os melhores vídeos do dia

Em 2010 Marina voltou a ser a terceira colocada com 21,32% ( 22 milhões de eleitores) atrás de Aécio Neves e da reeleita Dilma Rousseff.

No seu discurso em Brasília-DF, Marina falou sobre o que lhe motivou a entrar em mais esta disputa pela presidência. Segundo ela o comprometimento e o senso de responsabilidade a convocaram para mais esse desafio. Também falou sobre a corrupção e a crise [VIDEO] econômica pela qual o país vem passando.

Não deixou passar nem a operação Lava-Jato da polícia federal, a qual, ela diz que deve ser feita com o intuito de renovar o cenário político nacional.

A oficialização da candidatura deve ser aprovada em congresso até o mês de abril de 2018. Já sobre possíveis coligações, seu partido, REDE, disse que fará alianças com partidos que tenham protagonismo ético e comprometimento com questões ambientais e sociais.