O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), gilmar mendes, tem aparecido inúmeras vezes na mídia nas últimas semanas devido a suas decisões questionáveis [VIDEO]. E a população não aprovou nem um pouco nenhuma dessas medidas tomadas pelo ministro.

O resultado disso foi uma campanha organizada pelo povo por meio de um abaixo-assinado com o objetivo de conseguir o Impeachment de Gilmar Mendes [VIDEO]. O abaixo-assinado tinha como objetivo três milhões de assinaturas, e conta com pouco mais de 1 milhão e 600 mil, faltando pouco menos da metade para completar o objetivo. Ele está sendo realizado no site Change.

Quem criou a página foi José Luiz Maffei e ele profere diversas acusações ao magistrado. E uma delas é de que Mendes concedeu diversas vezes habeas corpus a políticos e empresários, mostrando com isso que ele nem sempre prioriza o bem comum da população brasileira e sim leva seus interesses pessoais em consideração na hora do julgamento, o que é algo que demonstra extrema falta de profissionalismo da parte de Gilmar. O mais recente caso foi o habeas corpus concedido ao ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, fazendo ele assim ser liberado da cadeia, onde ele estava desde o final do mês passado. E Maffei também mencionou o TSE que Gilmar Mendes preside, afirmando que é motivo de vergonha para o Brasil.

Na petição consta 5 fatos criminosos que foram cometidos pelo ministro e são eles:

  • Conduta incompatível com a honra, a dignidade e o decoro de suas funções;
  • Exercício de atividade político-partidária;
  • Atitude patentemente desidiosa no cumprimento dos deveres do cargo;
  • Proferimento de julgamento quando legalmente suspeito;
  • Estabelecer relações com investigados sob o risco de violar o princípio da imparcialidade.

Algumas das medidas de Gilmar Mendes que revoltaram a população

E nas últimas semanas, o ministro tomou diversas decisões que enfureceu a população.

Uma delas foi ter concedido o direito de prisão domiciliar a advogada Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador do estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. Gilmar Mendes deu como motivo para tal decisão o fato de Adriana ter dois filhos pequenos, tendo eles 11 e 14 anos.

Além disso, Gilmar também suspendeu o inquerito que está rolando no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra Beto Richa (PSDB), atual governador do Paraná. O ministro declarou que a delação que deu origem a denúncia ao governador não era considerada confiável e além do mais criticou a ação do Ministério Público.