A mudança de partido do deputado federal e pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é mais um capítulo de uma das novelas para as Eleições de 2018. Há alguns meses, o parlamentar garantiu que não ficaria no Partido Social Cristão (PSC) por conta das alianças que a legenda fez nas eleições de 2016, quando que se uniu até mesmo ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e revoltou Bolsonaro.

O deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro pretende definir seu futuro até o dia 15 de janeiro [VIDEO]. Nesta data, seus milhões de eleitores vão saber para onde o provável candidato à Presidência da República nas eleições de 2018 vai.

Mudou o destino

O Partido Ecológico Nacional (PEN), que em breve vai mudar de nome para Patriota, tem veiculado propaganda eleitoral em que se define como o futuro partido de Jair Bolsonaro, mas parece que isso não vai mais acontecer. [VIDEO] Não se sabe exatamente o porquê Bolsonaro decidiu não ir mais para a legenda, mas hoje o destino mais provável é o Partido Social Liberal (PSL), de Luciano Bivar, amigo de Bolsonaro.

O problema para a mudança para a legenda é que um movimento dentro do partido, chamado de “Livres”, não quer Bolsonaro na legenda. O movimento chegou até divulgar um manifesto no Facebook com o título: “Bolsonaro não virá para o PSL”.

A nota de esclarecimento afirma que Bolsonaro se reuniu com Bivar e eles conversaram sobre o Imposto Único, histórica bandeira levantada pelo PSL.

“Em função das evidentes e conhecidas divergências de pensamento, o projeto político de Jair Bolsonaro é absolutamente incompatível com os ideais do ‘Livres’ e o profundo processo de renovação política com o qual o PSL está inteiramente comprometido”, diz a nota publicada no dia 20 de dezembro.

Dias depois, Bivar afirmou à revista Época que Bolsonaro seria bem-vindo para se filiar à legenda e concorrer à Presidência. O deputado federal e presidente do PSL falou ainda em estar cheio de orgulho com a possibilidade da chegada do colega parlamentar.

O que o PSL tem a oferecer?

Pelo jeito, as conversas foram bastante produtivas e Bolsonaro ficou feliz com o que ouviu de Bivar. "Pelo que tudo indica, nós podemos ir para o PSL, que mudaria de nome, que mudaria o estatuto, e mais importante: eu teria 100% de chance de disputar no ano que vem como candidato", afirmou Bolsonaro.

De acordo com o portal de notícias UOL, caso Bolsonaro não feche com o PSL, o Partido da República (PR) deve ser a segunda opção do pré-candidato, que aparece na segunda posição nas pesquisas de intenções de votos de diversos institutos. Por enquanto, o destino de Bolsonaro ainda não está selado. Seus eleitores espalhados pelo país aguardam uma definição.