Uma mensagem postada em seu Twitter mostra que o general Eduardo Villas Bôas pode ter dado um recado aos políticos. As suas fortes declarações mostram uma nova visão do Exército em relação à política brasileira. Sempre pregando paz e tranquilidade, o general mudou o discurso e deu uma indireta de que as Forças Armadas estariam preparadas para atuar, tirando das instituições parlamentares corruptos.

No Brasil, é crescente os pedidos de intervenção militar, ainda mais com o Supremo Tribunal Federal [VIDEO] (STF) trabalhando contra os anseios do povo. O último gesto muito questionado da Corte foi o pedido de vista feito pelo ministro Dias Toffoli.

Mesmo com uma esmagadora possibilidade de se aprovar o fim do foro privilegiado, o ministro jogou um "banho de água fria" no povo e fez com que a medida fosse paralisada. Ninguém sabe quando ele colocará em pauta novamente a prerrogativa do fim do foro especial.

A Câmara dos Deputados também analisará a questão do foro nos próximos dias. Muitos parlamentares já articulam manobras para se livrarem da primeira instância, provavelmente querem escapar das mãos do juiz Sérgio Moro.

Mensagem do general

Em sua mensagem, o general Villas Bôas declarou que o Estado deve estar consciente que o poder dado às Forças Armadas é para ser usado em favor do povo. De acordo com o general, os Militares são servos do povo e as suas mais altas virtudes são a obediência e a lealdade. "Mais quais serão os limites da obediência?", pergunta o comandante.

O general declarou que as Forças Armadas agirá sempre em defesa da sociedade, mesmo o Estado querendo o contrário.

Um militar comentou a mensagem do comandante do Exército Brasileiro. Segundo esse militar, a obediência tem um limite. Quando algum poder se mostra contrário ao povo, os militares podem entrar em ação.

As palavras de Villas Bôas foram baseadas nos conceitos do economista americano Samuel Huntington. Seria uma advertência aos políticos brasileiros corruptos?

Lava Jato

Os procuradores da Operação Lava Jato estão a todo momento alertando o povo sobre as articulações criminosas dos parlamentares.

Um detalhe observado pelo procurador Helio Telho, é que a Câmara está tentando enganar o povo [VIDEO]. Eles só aceitarão o fim do foro privilegiado se for também aprovado o projeto de abuso de autoridade. Com isso, mesmo que os criminosos caiam nas mãos do juiz Sérgio Moro, o magistrado não poderá tomar nenhuma decisão contra eles.

Uma verdadeira armadilha contra a sociedade está se formando e o recado do general pode ter chegado no momento certo.