A resposta sobre a decisão do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) de continuar apoiando o Governo do presidente Michel Temer, somente deverá ser anunciada na convenção da legenda, prevista para o próximo dia 9 de dezembro. Na data, também deverá ser oficializado o nome do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin como o novo presidente da Legenda.

Vaga de Aécio será preenchida pelo Governador de São Paulo

Alckmin recebe o apoio de seu afilhado político, o prefeito de São Paulo, João Doria, preencherá a vaga do presidente licenciado, Aécio Neves (PSDB/MG), e espaço, até então ocupado interinamente pelo senador Tasso Jereissati, do Ceará.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

O nome de Alckmin deverá ser ainda homologado como candidato à Presidência da República para 2018.

Tasso Jereissati e Marconi Perillo deixam disputa da Presidência

Outra questão de conciliação que o PSDB teria de resolver, e por isso o nome de Geraldo Alckmin surgiu como consenso [VIDEO] na legenda, seria o embate político entre as candidaturas para o comando do PSDB, dos oposicionistas, o governador goiano, Marconi Perillo (PSDB/GO) e Tasso Jereissati.

PSDB quer sair do governo desde que começaram denúncias contra Temer

Esse estado de dúvida do PSDB, quanto permanecer ou sair do Governo, vem se arrastando desde que o dono da J & F, Joesley Batista envolveu o presidente Michel Temer nas denúncias premiadas da Lava Jato. Nesta quinta-feira, 30, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ao apresentar um balanço de atividades do Governo, foi contundente em suas palavras, afirmando que: “o PSDB não está mais na base do Governo”. Em contrapartida, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, enfatizou que “ o PSDB continua no governo”, e que a legenda apoia o programa do presidente Michel Temer.

PSDB pode inviabilizar a votação da Reforma da Presidência

Para o Palácio do Planalto, caso a saída do Partido ocorra neste momento, a aprovação da Reforma da Previdência [VIDEO] Social ficará prejudicada, pois as contas do Planalto indicam que ainda não existem os 308 votos necessários para este objetivo.

Por outro lado, a expectativa do Governo de que o PSDB não deverá abandonar [VIDEO] o Planalto, pelo menos por enquanto, reside na certeza de que três ministros do PSDB ainda não se desligaram do Planalto: a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Vallois, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes e Antônio Imbassay, da Secretaria de Governo.