O juiz Marcelo Bretas, titular da sétima Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro e responsável pela condução de um "braço" das investigações da Operação Lava Jato, no estado do Rio de Janeiro, concedeu entrevista em que ressalta todo o trabalho desempenhado em prol do combate incessante a crimes relacionados à Corrupção em seu estado, como também, fez uma análise do trabalho do seu colega paranaense, o juiz Sérgio Moro.

Vale ressaltar que Moro é o magistrado titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná e é o responsável pela condução da força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato [VIDEO], da Polícia Federal, considerada a maior operação de combate à corrupção na história contemporânea do país e já é vista como uma das maiores operações já deflagradas em todo o mundo.

Vale lembrar que um dos casos mais emblemáticos e que repercute intensamente nas redes sociais, refere-se à situação do ex-presidente da República [VIDEO], Luiz Inácio Lula da Silva, que foi condenado no âmbito da Lava Jato, a mais de nove anos e seis meses de prisão em regime fechado, pelo cometimento de crimes relacionados à corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Lula foi condenado por Sérgio Moro e aguarda decisão do Tribunal de segunda instância, o Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4), de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, para confirmar ou reformar a determinação, referente à aquisição do apartamento de luxo em Guarujá, litoral do estado de São Paulo.

Moro e Bretas e a união contra a corrupção

O juiz Marcelo Bretas se referiu ao trabalho do juiz Sérgio Moro, como árduo, difícil e muitas vezes, até mesmo, não compreendido. O magistrado carioca foi ainda mais longe ao definir que Sérgio Moro tem se dedicado muito à Justiça Federal.

Conforme suas mais recentes entrevistas concedidas à imprensa, o juiz Marcelo Bretas considera que nunca quis ser igual ao juiz Sérgio Moro e nem é. Entretanto, ao classificar o seu próprio trabalho à frente das investigações de corrupção que permeiam a realidade brasileira, especialmente, em se tratando de seu estado, o Rio de Janeiro, Bretas foi contundente ao afirmar que o combate corrupção faz seus olhos brilharem.

Ainda em relação ao papel desempenhado por juízes, assim como ele e o juiz Sérgio Moro, Bretas foi enfático ao comentar que no Judiciário cada um possui sua individualidade funcional. O magistrado ponderou ainda que ele é livre para decidir e que é melhor que ninguém e ninguém é melhor que ele. Além disso, Bretas disse que a sociedade civil possui todo o direito de exigir imparcialidade e independência funcional.