A última informação que se da conta sobre a data em que a Reforma da Previdência será posta em votação é fevereiro do próximo ano, como afirmou Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados. Muito já foi dito sobre esse assunto, e por diversas figuras. O plano inicial era votar na Câmara ainda esse ano, porém, com o apoio menor do que o Planalto esperava, achou-se mais prudente prolongar as negociações e colocá-la após o recesso parlamentar.

Segundo informações do deputado Beto Mansur (PRB-SP), responsável por fazer a contagem de votos para o governo, a PEC que propõe mudanças na Previdências tem atualmente, na avaliação mais otimista, 260 votos.

São necessários 308 para aprovação.

Já a oposição garantiu à BBC Brasil que esse número é um mero blefe do governo. José Guimarães [VIDEO] (PT-CE), líder da minoria e ex-líder do governo Dilma Rousseff, afirmou que a reforma da Previdência não conta com mais de 240 votos. "Mansur não entende nada de votos aqui dentro", disse o petista.

Para se ter uma ideia da queda de apoio de Michel Temer [VIDEO] desde sua entrada até o momento, em maio de 2016, quando foi feita a votação para afastar a presidente Dilma Rousseff, foram 367 votos favoráveis. Eles seriam mais do que suficientes para aprovar a reforma da Previdência, caso Temer mantivesse sua base aliada.