Deputados do PMDB e do Centrão tanto insistiram que o presidente Michel Temer oficializou [VIDEO] o deputado Carlos Marun (PMDB/MS) na Secretaria de Governo. A posse de Marun ocorreu na sexta-feira, dia 15 de dezembro, no Palácio do Planalto, em Brasília Esses parlamentares entendem que Marun se tornou ardoroso defensor das propostas do governo Michel Temer .

Eles chegaram a causar confusão no dia 22 de novembro, na posse do novo ministro das Cidades, Alexandre Baldy (GO), pois pretendiam que o presidente Temer nomeasse na mesma data o deputado peemedebista.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Jair Bolsonaro

Cerimônia de posse foi adiada pela saúde de Michel Temer

Marun, que seria elevado ao cargo de articulador [VIDEO] político na quinta-feira, dia 14, teve cerimônia adiada porque o presidente Temer ainda estava internado no Hospital Sírio Libanês, onde passou por cirurgia para desobstruir o canal da uretra.

Este peemedebista assume o cargo em vaga aberta pelo ex-ministro Antônio Imbassahy (PSDB/BA), que deixou o governo atendendo às orientações do seu partido político.

Atuação nas delações da JBS deram notoriedade a Marun; batalha por aprovar a Reforma da Previdência

O novo secretário de Governo vinha sendo apontado pelas bancadas do PMDB e do Centrão para ser alojado no governo Temer por ter se mostrado ardoroso defensor do presidente Michel Temer na ocasião das denúncias de delações premiadas da JBS contra ele, na Procuradoria Geral da República (PGR) junto ao Supremo Tribunal Federal. Em todas elas, Carlos Marun saiu a campo, revertendo votos de seus pares, que ajudaram a congelar essas acusações.

Com missão semelhante, Marun tem agora que atuar no sentido de persuadir os deputados contrários à Reforma da Previdência a votarem a favor da proposta.

Reforma essa que o presidente Temer lutou para aprová-la ainda este ano, mas, devido ao baixo número de parlamentares aderindo à questão, os encaminhamentos da leitura no plenário da Câmara dos Deputados e também a votação do projeto foram adiados para o mês de fevereiro de 2018. Para aprovação da Reforma Previdenciária, o governo precisará reunir 308 votos para cada uma das duas sessões.

Deputado assume função consciente de sua atribuição

No seu discurso de posse, o deputado enfatizou que assume a Secretaria de Governo consciente de sua atribuição. Ele destacou também que o Brasil precisa de uma Previdência justa e menos desigual para todos os brasileiros. “Não é possível que aceitemos continuar convivendo com o sistema previdenciário que tira dos mais humildes e destina recursos aos mais aquinhoados”, destacou o parlamentar.