Com apenas 11 meses como prefeito da maior cidade do país, João Doria (PSDB) viu seu índice de rejeição triplicar, fazendo-o se igualar ao seu antecessor Fernando Haddad (PT). Com esse resultado e após o entendimento dos colegas tucanos em prol do nome do governador Geraldo Alckmin (PSDB) para disputar a presidência da República, o prefeito de São Paulo pode se considerar fora da disputa no ano que vem.

Na pesquisa [VIDEO] que o Datafolha realizou entre os dias 28 e 30 de novembro, 39% dos moradores da capital paulista afirmaram que a gestão do prefeito Joao Doria é ruim ou péssima. Os números são os mesmos do ex-prefeito petista Fernando Haddad em 2013, final de seu primeiro ano como gestor da cidade.

Apesar da rejeição, Doria [VIDEO] ainda foi aprovado por 29% dos entrevistados que consideram sua administração ótima ou bom e 31% disseram que sua gestão é regular. Dos entrevistados, apenas 1% não souberam responder à pesquisa.

Protestos contra a classe política

Em relação ao ex-prefeito Fernando Haddad, as pesquisas realizadas em 2013 aconteceram em um período conturbado no contexto social-político com a realização dos protestos de junho daquele ano quando milhares de pessoas tomaram as ruas se manifestando contra os políticos. Haddad seguiu sendo reprovado como prefeito até o final de seu mandato.

No caso do prefeito Joao Doria, não existe um único fator para explicar seu desgaste no comando da prefeitura de São Paulo. Desde que assumiu, o tucano viu sua aprovação cair 15 pontos, de 44% para 29%.

Nesse mesmo período sua rejeição cresceu assustadoramente 26 pontos, subindo de 13% para 29%. O crescimento maior da rejeição ao governo de Doria teve seu maior índice de crescimento nos últimos dois meses. Em outubro registrava 26% quando a desaprovação à sua gestão cresceu 13 pontos.

Doria fez menos pela cidade do que os eleitores esperavam

Uma das questões apresentadas pela pesquisa do Datafolha foi a realização de obras e serviços básicos à população de São Paulo. Em outubro, 64% dos entrevistados afirmaram que o prefeito Joao Doria havia feito menos pela cidade do que se esperava dele, mas em novembro esse número subiu para 70%.

Já para 17% dos entrevistados o prefeito de São Paulo fez o que realmente a população esperava dele. Outros 10% consideram que sua administração superou todas as suas expectativas. Um dos pontos que pode ter influenciado no crescimento da desaprovação do prefeito foi o fato dele defender nos bastidores tucanos uma pré-candidatura à presidência da República.