Nessa quarta-feira (12), foi marcado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a data é 24 de janeiro de 2018 [VIDEO] e será realizado em segunda instância. O resultado do julgamento irá ser decisivo para as Eleições 2018, já que Lula é um dos principais pré-candidatos que está aparecendo na liderança da maioria das pesquisas de intenção de votos, tendo como seu maior adversário o deputado federal Jair Bolsonaro (Patriotas-RJ).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lava Jato

Mas não é apenas no cenário político que a sentença de Lula irá influenciar, mas também na área da economia. Pois apenas com a notícia de que o julgamento teve uma data marcada, o mercado financeiro teve uma melhora considerável.

O bechmark da bolsa brasileira fechou com alta de 1,39%, aos 7.986 pontos. O volume financeiro ficou em R$7,986 bilhões. E além disso, o dólar comercial subiu 0,93%, concluindo o dia com a cotação de R$3,3281 na venda, sendo esse o maior valor desde o dia 23 de junho.

Situação de Lula na Justiça

O ex-presidente Lula foi condenado pelo juiz federal Sergio Moro a 9 anos e meio de prisão em julho desse ano de 2017, e os crimes que o petista está sendo responsabilizado são que aparecem normalmente envolvendo políticos, que são corrupção passiva e lavagem de dinheiro, devido o recebimento de R$ 3,7 milhões da empreiteira OAS, por meio de contratos da empresa com a Petrobras. E esse dinheiro foi repassado para o ex-presidente por meio da compra e reforma do triplex de Guarujá

Foi concedido ao ex-presidente o direito de defesa em liberdade, o qual já foi recorrido duas vezes pela defensoria do petista desde que sua sentença foi dada a quase 6 meses atrás.

Foram bloqueados no total 16 milhões de reais de Lula, incluindo valores e também seus bens, já tendo sido solicitado o desbloqueio pelos seus advogados duas vezes e todas elas negadas pela Oitava Turma do Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF4), que é o departamento que está analisando o caso de Lula e que marcou seu julgamento.

A Oitava Turma do Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF4) é formada por três desembargadores: João Pedro Gebran Neto como relator, Leandro Paulsen como revisor e Victor Laus, decano da Corte.

Lula e a Operação Lava Jato

O ex-presidente não possui um histórico muito bom com a operação da Polícia Federal e não é apenas devido aos processos que enfrenta, mas sim pela insistência do petista em negar seus crimes e afirmar que a Polícia Federal está o perseguindo injustamente.

Lula já fez inúmeros discursos criticando a operação, tendo inclusive feito um no velório de sua esposa, Marisa Letícia, no qual insinuou que sua morte foi acarretada pelo estresse causado pela operação na vida dos dois.

O presidente também já afirmou que a Lava Jato está desmoralizando o estado do Rio de Janeiro e a empresa estatal Petrobras e quando o juiz Sérgio Moro foi questionado sobre tal afirmação de Lula, ele apenas disse que não iria falar em público com um condenado pela Justiça [VIDEO].