O ministro Gilmar Mendes [VIDEO], que é o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tem causado alvoroço nas redes sociais com as decisões que tem tomado atualmente. Volta e meia, gilmar mendes está na mídia com alguma decisão a ser dada ou planejada. Desta vez, o ministro surpreendeu a todos ao decidir soltar o ex-governador Anthony garotinho e o ex-ministro Antonio Carlos Rodrigues, que é o presidente do PR do partido que Garotinho faz parte. A decisão de soltar Garotinho e Antônio Carlos foi tomada nesta quarta-feira (20).

Garotinho foi preso durante a Operação Chequinho, que tinha por objetivo investigar um esquema de crimes eleitorais, de compras de votos durante as eleições do ano de 2012.

Após a delação premiada da JBS, o nome do ministro Antônio Carlos foi citado como envolvido nas doações ilegais fornecidas para campanha eleitoral de Garotinho.

O ex-governador foi acusado de corrupção, organização criminosa e também de ter prestação falsa de contas de campanhas eleitorais. E o ministro Antônio Carlos também foi preso durante a operação que prendeu Garotinho.

No mesmo dia da prisão de Garotinho, a sua mulher, Rosinha Matheus também foi presa durante a operação de investigação que envolve crimes cometidos nas eleições. Apesar das acusações feitas pela Polícia Federal, o casal nega todas as acusações.

Anthony Garotinho será solto nesta quinta-feira (21)

Segundo informações dos advogados de Garotinho e de Antônio Carlos, os dois serão soltos nesta quinta-feira (21) no período do final da manhã e início da tarde.

Garotinho atualmente está mantido no Bangu 8, enquanto que o ministro está preso no presídio de Benfica.

A justificativa para tal decisão causou alvoroço nas redes sociais. Segundo Gilmar Mendes, a Justiça Eleitoral do estado do Rio de Janeiro não apresentou subsídios necessários para manter Garotinho preso, pois, segundo ele, o comportamento do ex-governador não apresentou nenhuma tentativa de continuar cometendo crimes, nem prejudicar investigações ou tentar fugir.

Desta forma, a justificativa de Gilmar Mendes se baseia no “bom comportamento” que Garotinho apresentou enquanto esteve preso, e que segundo o ministro, não apresenta nenhuma ameaça para a sociedade, e por conta disso não necessita estar preso.

Em relação à soltura de Antônio Carlos, Mendes se apropriou do mesmo discurso utilizado para Garotinho, afirmando que o ocorrido já tinha mais de três anos.