No encontro com as bancadas do PT na Câmara e no Senado, ocorrido nesta quarta-feira, em Brasília, o ex-presidente Lula voltou a falar das suas pretensões políticas para os próximos anos. Admitiu que pretende ser candidato, mas revelou que vai desistir da candidatura se alguém apresentar provas concretas contra ele.

"Quero ser inocentado para poder me candidatar. Se apresentarem provas contra mim, reunirei a bancada para dizer que não posso ser candidato", prometeu o ex-presidente junto a inúmeros parlamentares do quadro do Partido dos Trabalhadores.

A fala surgiu um dia após a marcação da data para o julgamento de Lula [VIDEO] em segunda istância.

O Tribunal Regional Federal da 4° Região - TRF4 anunciou que a sentença sairá no dia 24 de janeiro, o que gerou críticas de petistas - inclusive da ex-presidente Dilma Rousseff [VIDEO].

A situação política de Lula depende muito da resolução desse julgamento. Se os juristas entenderem que ele deve ter pena (9 anos e 6 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro) mantida ou ampliada, vira ficha suja e fica impedido de concorrer. No entanto, caberá recurso antes que uma decisão final seja tomada. Lula lidera as pesquisas prévias às eleições presidenciais.