O julgamento do nosso ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi marcado essa semana pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), e a data é dia 24 de janeiro de 2018. O julgamento será de segunda instância e o caso que está sendo analisado é o do triplex do Guarujá. O desembargador da 8ª Turma do TRF-4, Leandro Paulsen, concluiu seu papel de revisor essa semana e foi pedida a marcação do julgamento do petista. Antes de Paulsen, o desembargador João Pedro Gebran Neto tomou o papel de redator e concluiu seu relatório algumas semanas atrás, dia 4 de dezembro, após 100 dias trabalhando nisso.

Caso haja uma reiteração por parte do TRF4 sobre condenação de Lula, o ex-presidente será detido nas Eleições presidenciais de 2018 pela Lei da Ficha Limpa, se tornando inelegível, o que muda todo o cenário da disputa presidencial, já que o petista é um dos principais nomes que surgiu nas pré-campanhas. Logo os planos de retorno de Lula à Presidência da República Federativa do Brasil está nas mãos do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

E ainda existe a possibilidade de o TRF4 decidir avalizar a sentença dada pelo juiz Sergio Moro de condenação ao ex-presidente Lula de 9 anos e meio de encarceramento, respondendo pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

E caso haja a intervenção do Ministério Público Federal (MPF), pode ser determinado pelo Poder Judiciário que o petista comece a cumprir sua pena imediatamente, conforme o entendimento vigente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ou seja, Luiz Inácio Lula da Silva pode não apenas ser impedido de se candidatar a presidência, mas também o ex-presidente pode começar o seu ano de 2018 de dentro da cadeia.

Políticos que estão encarcerados

Lula ainda está na incerteza de seu futuro em 2018, podendo vir como candidato a presidente da República ou quem sabe virar um detento.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lava Jato Lula

Ele não será o primeiro pego pela Operação Lava Jato. Como alguns de seus colegas da política estão na cadeia há algum tempo. Um exemplo disso é o ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que está enfrentando a maior pena já aplicada a um político brasileiro, sendo essa pena de 25 anos e está recluso desde novembro de 2016. E além dele, também está preso o ex-presidente da Câmara dos deputados Eduardo Cunha, que enfrenta uma pena de 15 anos de reclusão desde outubro de 2016. Os dois são do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo