Nessa quarta-feira (6), o deputado federal Tiririca [VIDEO] (PR-SP) fez um discurso, na Câmara Federal, que chamou de seu primeiro e último, o que gerou muita polêmica. Várias pessoas e vários sites especularam que o parlamentar estaria renunciando ao mandato. Mas, parece que nada disso é verdade. Mas, outra coisa apareceu na internet a ponto de todo mundo desconfiar do comediante e deputado federal é que José Genoíno (PT) seria suplente do Tiririca. As informações dizem que não.

Segundo um blog do site da revista Veja, chamado “Me Engana que Eu Gosto” [VIDEO], assinada pelo colunista João Pedroso de Campos, a notícia é uma farsa e o blog que espalhou isso está enganando.

Ele esclarece que o petista era suplente em 2010 e não em 2014, pois nessa última eleição Genoíno já tinha perdido seu registro e estava inelegível.

Além do mais, diz o blog, o deputado federal não renunciou ao mandato de imediato, mas deixou claro, que não disputará as eleições de 2018. Esse boato foi espalhado, segundo o colunista, pelo site “Noticia Brasil Online”, gerando várias repercussões, alcançando um maior número de pessoas na internet. Ainda diz que a tática é simples: se usa a ignorância para atingir o objetivo do canal. Como a pergunta bem no “calo do momento”, porque o deputado federal não disse quem era seu suplente.

O colunista esclarece os fatos. Esse texto, que é fake News (notícia falsa) é de um texto de 2010, depois de Tiririca, ser eleito, quando questionaram a sua elegibilidade por suspeitarem que o deputado seria analfabeto.

Os melhores vídeos do dia

Se Tiririca não provasse que sabia escrever e ler, ficaria nas mãos da Justiça se era ou não eleito. Se cassado, aí o então deputado federal José Genoíno iria assumir o seu lugar. Isso era porque, continua o articulista, o PR estava apoiando e na coligação com o PT, PC do B, PRB e PT do B. Nessas eleições, Tiririca e Genoíno haviam sido os mais votados entre os outros candidatos que eram da mesma coligação.

Esse processo do suposto analfabetismo do Tiririca foi arquivado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em novembro de 2013 por falta de provas. Assim, na legislatura da Câmara federal, atualmente, que se iniciou em 2015, o ex-deputado não é suplente de Tiririca e nem assumiria a cadeira do deputado, se supostamente houvesse a renúncia.

Isso porque, esclarece João Campos, quando Tiririca foi eleito em 2014 para seu segundo mandato, os direitos políticos do ex-deputado Genoíno foram cassados e sequer iria poder disputar a eleição. Estavam suspensos em função da sua condenação de 4 anos e 8 meses no caso de corrupção do Mensalão, no ano de 2012. Nas últimas eleições gerais, Genoíno estava terminando de cumprir pena em prisão domiciliar e não poderia disputar nada.

Mesmo que o ex-deputado pudesse disputar as eleições de 2014, continua o colunista, não seria possível que o petista fosse suplente do deputado Tiririca. Isso porque, naquele ano, ao contrário de 2010, o PR não se juntou ao PT e nem com nenhum outro partido na disputa. Assim, a suplente que está em primeiro lugar da lista é a Luciana Costa, a candidata que foi a sétima mais votada do PR.