Em pronunciamento à população brasileira, transmitido por rádio e televisão no domingo, 24 de dezembro, o presidente Michel Temer defendeu a aprovação da reforma previdenciária. Ele afirmou que tem a plena convicção que os parlamentares votarão a favor da reforma, pois essa seria uma forma de garantir emprego à população.

Segundo Temer, a sua gestão não esconde a realidade e nem adota modelos populistas. Ele fez uma retrospectiva do ano de 2017, falando da recuperação da Petrobras e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Ele falou do programa de financiamento estudantil (Fies), o qual teve um aumento na oferta de vagas.

Segundo o presidente, foram criadas 310 mil novas vagas para o ano de 2018 e 100 mil não terão cobrança de juros. O presidente disse que resgatar o Fies era seu dever pessoal.

Quanto à Reforma da Previdência, ele disse que não se trata de uma questão ideológica ou partidária, mas do futuro do Brasil e comparou a aprovação da reforma da Previdência que ocorreu na Argentina. O presidente, em seu pronunciamento, chegou a apontar que existem indicadores que comprovam que, com a aprovação dessa reforma, a oferta de empregos será maior.

Roubos na Previdência

Desde 1980, existem roubos no programa de Previdência e Seguridade Social do Brasil.

Quem não se lembra do caso Jorgina? Condenada a 12 anos por ter chefiado uma quadrilha, segundo a Justiça, composta de 25 pessoas, que praticavam roubo contra o INSS, a ex-advogada Jorgina de Freitas cumpriu 12 anos e 7 meses de prisão e teve imóveis apreendidos que foram à leilão para pagar o rombo causado pelos seus crimes.

Em 2013, o jogador de futebol Andrei Frascarelli foi acusado de receber benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) irregularmente, ocasionando um desfalque de mais de R$ 2 milhões. O jogador, que recebia o beneficio por estar supostamente com o joelho lesionado, foi pego jogando futebol durante o período declarado.

Este ano foi descoberto uma operação que pagava benefícios a pensionistas de funcionários fantasmas. Uma empresa fantasma criada em 2015 e com mil funcionários, todos fantasmas também, gerou benefício de pensão. Outro caso foi o de benefícios concedidos irregularmente. Todo o rombo descoberto nesta operação soma uma quantia de quase R$ 300 milhões e inclui até a compra de um gato persa.

No relatório publicado pela CPI da Previdência [VIDEO] (Comissão Parlamentar de Inquérito) em 2017, foi revelado que não há deficit e que houve superávit nos últimos anos. O relatório revela que empresas privadas estão devendo R$ 450 bilhões à Previdência.