O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é pré-candidato à Presidência da República e deve disputar o pleito em 2018. Neste momento, embora seja negado oficialmente, a corrida presidencial já começou, Bolsonaro larga bem e já conta com o apoio de alguns colegas parlamentares.

Em março do ano que vem, Bolsonaro vai deixar o Partido Social Cristão (PSC) e deve se descolar para o Partido Ecológico Nacional (PEN) [VIDEO]. A legenda vai mudar seu nome para Patriota.

Apoio dos colegas parlamentares

Nesta terça-feira (19), o deputado federal pelo estado de São Paulo, Eduardo Bolsonaro (PSC), publicou um vídeo que mostra parlamentares [VIDEO], incluindo ele próprio, na tribuna da Câmara, declarando apoio a Bolsonaro.

O primeiro a aparecer no vídeo é o deputado Delegado Éder Mauro (PSD-PA). O parlamentar afirma que quer ver Lula (PT) levando uma surra nas urnas em todo o país através do deputado Bolsonaro.

O segundo a aparecer é o deputado Onyx Lorezoni (DEM-RS). Após criticar Lula, Dilma Rousseff e até mesmo Michel Temer, Onyx afirma que espera que “em 2018 a gente eleja nesse país um homem de coragem, um presidente como Jair Bolsonaro”.

Outro a declarar apoio a Bolsonaro é o deputado Capitão Augusto (PR-SP). “Eu tenho maior orgulho de vir aqui e falar do meu candidato também, meu pré-candidato, Jair Bolsonaro”, diz o parlamentar.

O último deputado federal a aparecer no vídeo é o próprio Eduardo Bolsonaro. Com exceção deste último, filho de Jair Bolsonaro, os outros três não têm qualquer ligação com o pré-candidato.

Chama a atenção, inclusive, o fato de políticos do Democratas e do PSD, que compõem a base do governo Temer, declarar apoio aberto a Bolsonaro. Em breve, pode ser que outros políticos também o apoiem.

Candidatura consolidada

Jair Bolsonaro, como qualquer outro que sonha em chegar ao Planalto, ainda está na categoria de pré-candidato. O desempenho dele em pesquisas, porém, anima aliados e grandes são as chances de ele chegar ao segundo turno em 2018.

A disputa para a presidência terá momento importante no dia 24 de janeiro, quando Lula vai a julgamento em segunda instância e pode ter a condenação aplicada pelo juiz federal Sérgio Moro ratificada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Caso isso aconteça, Lula pode ficar impedido de concorrer em 2018. Hoje, ele é o primeiro colocado na maioria das pesquisas, com Bolsonaro na segunda posição. Se for impedido, pelo menos na teoria, Bolsonaro assumiria a liderança.

Neste cenário, o deputado federal e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), seriam os candidatos mais cotados para ir ao segundo turno.